Pesquisadores ganham espaço nas escolas e mostram valor no Carnaval

Trabalho e ideias de profissionais são reconhecidos em diversas agremiações

Por O Dia

Rio - Muito mais que assistentes. O velho pensamento de que a função dos pesquisadores numa escola de samba é uma das mais simples está sendo deixado para trás. Responsáveis por darem um maior contexto ao enredo e adequar um possível tema patrocinado, eles vêm desempenhando um posto cada vez mais importante no Carnaval e ganhando espaço nas escolas.

Leandro%2C Fábio e Roberto%3A parceria de sucesso na Grande RioVicente Rodrigues / Divulgação

Além das "funções básicas" que já desempenham normalmente, a novidade para 2014 ficou por conta da autoria de enredos. Escolas como Imperatriz Leopoldinense, Grande Rio e Viradouro deixaram a responsabilidade do desenvolvimento da sinopse e da justificativa de seu tema a cargo de seus pesquisadores.

Se o fato é considerado uma surpresa para alguns, para outros a rotina já pode ser considerada, em parte, costumeira. Na Grande Rio, Roberto Vilaronga está sendo o responsável pelo enredo, em parceria com Leandro Vieira e o carnavalesco Fábio Ricardo. Após o início no Império Serrano, em 2009, e passagens por São Clemente, Ilha e escolas do acesso, esta é a primeira vez que o artista assume a responsabilidade numa escola do Grupo Especial, fato considerado como o "grande teste".

Roberto Vilaronga é responsável pelo enredo da Grande Rio para 2014arquivo pessoal

"É uma experiência diferente das outras, mas isso principalmente pela cobrança sobre o trabalho. Já havia escrito a sinopse do Império Serrano, em 2011, mas esta é a primeira vez no Grupo Especial, onde antes havia apenas colaborado com o Alex, na Ilha, e o próprio Fabinho (Fábio Ricardo), na São Clemente. É uma responsabilidade maior, tenho que defender tudo aquilo que o julgador irá ler na Avenida, preciso interpretar de maneira escrita o que ele estará vendo no nosso desfile. Posso dizer que é o grande teste da minha carreira e o segredo para o sucesso é essa parceira entre a criação, pesquisa e carnavalesco", revelou Roberto.

Enquanto Roberto convive com a experiência diferente na Grande Rio, Anderclébio Macedo é outro nome que desponta para o próximo Carnaval. Ao lado do carnavalesco João Vitor Araújo, ele vem sendo responsável pela contextualização do enredo da Viradouro. Após realizar toda a pesquisa ao lado do carnavalesco, Ander escreveu a sinopse e agora continua com os trabalhos junto ao amigo. Atualmente em processo de preparação da defesa da escola para os julgadores, a rotina de trabalho continua agitada em Niterói.

"Assim que o João me passou a ideia eu comecei a pesquisar tudo. Queríamos achar a melhor forma de contar a história do enredo e para isso fizemos várias reuniões, praticamente semanalmente. Assim que tivemos uma ideia que se destacou, escrevi a sinopse e encaminhei a ele e à diretoria. Agora, após a pesquisa já feita, continuamos com esse trabalho. Esta ideia base que proporcionou o desenvolvimento da sinopse e até mesmo dos desenhos de carros e fantasias. Mesmo depois dessas etapas, continuamos interagindo e vendo como as coisas vão transcorrer, principalmente para preparar toda a defesa da escola", comentou.

Mais valorizados 

Com o ritmo de trabalho ainda acelerado, Ander não reclama da rotina. Feliz com a maior valorização do posto de pesquisador, o profissional garante que a função da pesquisa é algo que tem muito a somar com o trabalho de um carnavalesco. Com diversas funções de desenvolvimento e contextualização dos tema, o maior espaço dos pesquisadores é algo muito festejado por Ander.

"Com a modernidade, acabou essa história de uma pessoa só fazer tudo sozinho. Não sei se é uma tendência dos carnavalescos mais jovens, até pelo fato de que grandes profissionais têm suas equipes trabalhando. É importante essa maior visibilidade dos pesquisadores. É preciso saber que após o surgimento de uma ideia, é preciso que outras pessoas possam pensar junto e colaborar com tudo. A verdadeira importância do pesquisador é essa. Descobrimos detalhes, ajudamos a desenvolver um assunto que ainda estava cru, projetamos uma contextualização. Este maior espaço é algo a se festejar", analisou.

Ander (direita) trabalha ao lado do carnavalesco João Vitor na ViradouroDivulgação

Enredos patrocinados x padrão cultural

Responsável pela sinopse dos enredos do carnavalesco Cahe Rodrigues pelo sexto ano, Leandro Vieira admite que a maior carga de responsabilidade sobre os pesquisadores é mesmo fundamental. Segundo ele, o importante papel dos profissionais principalmente junto aos enredos patrocinados comprova a necessidade das escolas em poder contar com o trabalho de uma equipe de pesquisa. Para Leandro, o grau de importância das sinopses junto a este tipo de enredo se mostra cada vez mais intensa, principalmente em conseguir adequar uma ideia concreta a certos padrões do Carnaval.

"Acho que cada vez mais a sinopse assume uma grande importância dentro do contexto de que hoje é o desenvolvimento de um enredo. Esta questão dos temas patrocinados é uma grande prova disso. É necessário que esse estilo de tema se adeque e consiga se carnavalizar, onde acaba seguindo uma certa linha cultural. É neste contexto que a pesquisa de Carnaval acaba ficando cada vez mais profissional, mais valorizada. Com essa grande tendência de enredos patrocinados, é preciso cada vez mais fazer uma mescla dessas duas vertentes", disse Leandro, que ainda fez uma breve análise sobre a preparação do enredo sobre Zico.

"O grande barato deste trabalho sobre o Zico é que aparentemente o jogador de futebol não tem o perfil do estilo de enredo que a Imperatriz costuma apresentar, mas conseguimos fazer uma perfeita adequação. O mais interessante deste enredo é que fizemos com que o Zico estivesse adequado ao perfil da escola, a este estilo próprio. Um caminho totalmente diferente do esperado", concluiu.

Leandro escreveu sinopse da Imperatriz do enredo sobre ZicoReprodução Internet