Portiolli relembra relação complicada com Silvio Santos no início da carreira

Em entrevista a Antônia Fontenelle, apresentador falou de sua trajetória no SBT e sobre seu quase contrato com a Globo

Por O Dia

Rio - Celso Portiolli está há 20 anos no SBT e em entrevista feita por Antônia Fontenelle para o “Programa Na Lata”, transmitido pelo YouTube, o apresentador relembrou sua carreira e revelou histórias dos bastidores.

Em uma conversa descontraída ele imitou o patrão, Silvio Santos, falou sobre as várias vezes que teve vontade de sair da emissora e do seu quase contrato com a Globo.

Celso Portiolli em entrevista a Antônia Fontenelle Reprodução Internet

“Eu tenho uma história com o Roberto Talma. Ele estava no SBT, ia voltar para a Globo e queria me levar junto com ele. ‘Estou voltando pra Globo e vou abrir lá um projeto para sábado a tarde, a gente vai preparar um apresentador que um dia possa ir para o domingo, e você é o cara.’ Ganhava uma quantia no SBT e de cara me ofereceram dez vezes mais, além de uma luva que era cem vezes maior do que o meu salário. Eu fiquei louco e disse que ia.”, explicou.

Mas nada deu certo, antes do plano ser concretizado, Celso foi chamado para uma conversa. “No dia que estava tudo pronto tinham marcado uma conversa minha com o Silvio e eu fui no camarim dele, levei uma bronca daquelas porque estavam implantando a política de que não poderia entrar no camarim dos apresentadores. Brigaram até com o segurança. Saí de lá chorando. Me falaram que para falar com o Silvio era só na presidência.”.

Quando finalmente conseguiu falar com Silvio, Celso estava disposto a se demitir. “Disse que estava com uma proposta da Globo e que iria aceitar e aí ele respondeu ‘mas quem é que está te contratando?’. Eu não podia responder porque o Roberto Talma me pediu sigilo, ele estava saindo do SBT sem pagar uma multa de 5 milhões e disse que pagaria a minha que era de 100 mil. O Silvio disse que eu estava blefando mas que cobriria a minha oferta. Eu, encantado com tudo, assinei com ele e comecei a comer o pão que o diabo amassou: ele diminuiu meu salário e me colocou na geladeira. Várias vezes quando eu estava em primeiro lugar o programa saia do ar por orçamento ou mudava de horário”.

Mas a relação entre eles não teve só problemas e o apresentador confessou que aprendeu muito com tudo o que aconteceu. “Eu entendo o Silvio, na visão dele eu era um moleque de 30 e poucos anos, ganhando bem e sem pressa pra estourar. Ele está no auge dele até hoje, imagina há 15 anos. Só depois eu fui entender que ele estava me ensinando a ser mais homem, a ser mais humilde, a respeitar os outros profissionais. Sou muito grato, hoje, eu sofro menos na vida porque ele me ensinou a bater a cara no muro e levantar a cabeça.”.

Quando Gugu foi para a Record, Celso se viu mais uma vez sendo convidado para substituir alguém e por pouco não aceitou o convite para apresentar o “Domingo Legal”.

“Comecei minha carreira no rádio substituindo locutores e aqui não foi diferente. Substitui Angélica, a Galisteu, apresentei no lugar do Silvio e todo lugar que eu entrava dava certo. Quando o Gugu saiu eu estava preparado pra sair antes dele, porém sem proposta. Então o Silvio me chamou e disse que eles tinham alguns nomes para apresentar o ‘Domingo Legal’ e eu era um deles. Aceitei e fui sem medo, tinha muita gente torcendo por mim, eu tenho amizade com todo mundo no SBT. Entrei fora de forma porque programa não era meu, mas hoje ninguém mais lembra disso.”.

Últimas de Televisão