Reta final de 'A Regra do Jogo' repete tramas de 'Avenida Brasil'

Últimos capítulos da novela têm muitos elementos parecidos com os da trama anterior de João Emanuel Carneiro

Por O Dia

Rio - A reta final de “A Regra do Jogo” está eletrizante, mas peca pela falta de originalidade. Tudo porque o autor João Emanuel Carneiro está repetindo alguns truques que utilizou nos capítulos finais de sua última trama das 21h, a arrasa-quarteirão “Avenida Brasil”, de 2012. Mais uma vez, o escritor fez um mistério em torno da morte de um vilão.

A reta final de 'A Regra do Jogo' repete recursos do fim de 'Avenida Brasil'Reprodução


A semelhança ficou clara logo no capítulo de segunda-feira (7), quando o antagonista do atual folhetim das 21h, Gibson (José de Abreu), fez sua família de refém na mansão onde moravam. Totalmente surtado, o vilão afirmou que mataria a todos, e que a família ficaria junta para sempre.

Parece familiar? O vilão Max (Marcello Novaes), no final de “Avenida Brasil”, também teve um surto e fez a protagonista Nina (Debora Falabella) de refém na casa onde moravam.

Gibson é o novo Max

Além disso, o discurso do personagem era bem similar ao de Gibson em “A Regra”, afirmando que ia matar todos para que pudessem ficar juntos para sempre, com o mesmo ar enlouquecido.

O fim de Max foi idêntico ao do Pai da facção: ele foi assassinado misteriosamente após o sequestro que realizou e os suspeitos foram aqueles que o vilão tanto prejudicou.

Cenas do capítulo seguinte reforçaram ainda mais a comparação. Belisa (Bruna Linzmeyer) perguntou para sua mãe, Nelita (Bárbara Paz), se ela tinha matado Gibson. A filha do milionário negou e foi passado um flashback no qual Belisa revelava ter visto a mãe saindo do escritório.

A cena lembrou outra de “Avenida Brasil”, na qual Muricy (Eliane Giardini) e sua filha Ivana (Letícia Isnard) falavam sobre o assassinato de Max. Na sequência, Muricy questionava o que a filha fazia com uma arma na mão e um flashback lembrava como as duas esconderam o objeto.

?Zé Maria x Santiago

Além de toda essa questão, outro ponto de encontro entre as duas tramas foi a descoberta de que Zé Maria (Tony Ramos), é o novo Pai da facção. O personagem estava aparentemente regenerado e tinha virado uma pessoa do bem, no entanto, foi revelado que ele na verdade é o novo vilão.

O mesmo aconteceu na novela anterior do autor, quando Santiago (Juca de Oliveira), pai de Carminha, revelou ser na verdade um grande vilão, e chefe de uma quadrilha. Ele também virou um novo antagonista após a morte de Max, assim como o personagem de Tony Ramos em “A Regra”. Homenagem ou falta de criatividade?

Fonte: iG

Últimas de Televisão