Entre otimismo e medo, Anderson Silva relata drama e avisa: 'Eu vou voltar'

Lutador mostra confiança em retornar ao octógono em breve, mas também revela receio de um possível veto médico

Por O Dia

Estados Unidos - Sentir dor passou a fazer parte da rotina de Anderson Silva desde o dia 28 de dezembro, quando fraturou a tíbia e a fíbula na derrota para Chris Weidman. Ele precisou ser submetido a uma cirurgia, na qual uma haste foi colocada na perna esquerda do Spider. O brasileiro relatou o drama que vem passando. O tempo previsto de recuperação é de seis meses. Em um misto de confiança e receio, Anderson dá um recado:

Anderson Silva tenta manter a confiança em possível retornoReprodução Internet

"Eu vou voltar. Estou me fortalecendo e em breve eu vou voltar", disse em entrevista ao "Fantástico".

Anderson Silva disse que ainda sente muitas dores, a ponto de acordar aos berros. Ele se divide entre confiança e medo de que a luta contra Weidman tenha sido a última de sua carreira

"Eu tenho medo de não poder colocar carga na minha perna de novo. Eu tenho 39 anos, 38, eu faço 39 agora em abril, mas esse é um medo que está ali correndo comigo no dia a dia na minha recuperação. Mas eu estou confiante de que eu vou conseguir, que eu vou voltar", afirmou antes de expor seu maior receio:

"Pode ser que o médico fale que não posso mais lutar."

Anderson Silva mantém a fé em um retorno ao octógono. Ele não faz questão de um terceiro duelo com Weidman.

"Se o UFC achar que deve me der uma oportunidade de lutar com ele... Eu quero fazer o que faço bem, independentemente de cinturão, de lutar contra campeão. Quero voltar a fazer o que faço bem, que é lutar", afirmou.

Lesionado e urrando de dor%2C Anderson Silva deixou octógono na macaUSA Today Sports

O brasileiro analisou a luta e o golpe defendido por Weidman que causou a fratura na perna esquerda do Spider. Anderson contesta a declaração do campeão dos médios de que havia treinado o movimento para bloquear o chute do rival.

"Eu consigo ver detalhes e erros técnicos que cometi na luta. Para dar o chute perfeito, eu deveria ter desviado a atenção dele com um soco no rosto, desviado a atenção dele no momento do chute. Dá para perceber que ele está protegendo o chute da linha de cintura para cima. Instintivamente ele levanta a perna. Foi uma coisa instintiva, não uma coisa que ele tinha treinador fazer."

Anderson não considera que foi derrotado no dia 28 de dezembro.

"Não (foi uma derrota). Foi uma fatalidade. A regra é clara... Eu tenho plena certeza de que teria vencido", avisou.

DRAMA E ANGÚSTIA

As imagens chocantes da fratura rodaram o mundo e mostraram a dor de Anderson Silva. Ele teve de ser imobilizado no octógono e saiu de maca em direção ao vestiário. O brasileiro revela o que pensou ao sair carregado.

"Eu só pensava: 'Será que acabou? Será que vou voltar a andar?' Várias coisas passaram na minha cabeça."

Últimas de Esporte