René não se empolga com vitória sobre o Fla e projeta clássico contra o Flu

Treinador também fez elogios a participação de Gegê no segundo tempo da partida contra o Rubro-Negro e meia deve começar jogando no domingo no confronto com o Tricolor

Por O Dia

Rio -  René Simões preferiu não esconder a escalação para o jogo contra o Fluminense no domingo e já definiu o Botafogo que vai a campo no Maracanã às 16h. Gegê vai entrar na vaga de Diego Jardel e Diego Giaretta fica com a vaga de Roger Carvalho. O treinador também aproveitou para fazer críticas a atuação da equipe contra o Flamengo, que apesar da vitória, não agradou ao comandante.

René quer o Botafogo mais agressivo e propondo o jogo contra o Fluminense no domingoDivulgação

"O que a gente tem que avaliar o jogo do Flamengo. Embora todos estejam muitos felizes, em estado de graça, tenho os números do jogo. Foi o nosso pior jogo. Nada pior do que fizemos contra o Flamengo. Em momento algum, aí o meu desgaste no banco, eu só consegui dormir na quarta-feira às 16h. Em momento nenhum eu senti que tínhamos o jogo na mão. Tava sempre na mão do Flamengo, não na nossa. O Gegê deu um equilibrio no meio de campo e equilibramos o jogo. Entrou com personalidade. É um jogo que vamos ter de melhorar nossos indicadores. O Flamengo não fez, mas outro time que tenha 61% de posseserá dificil vencer. Nós tivemos 7 escanteios contra, 1 a favor. Tivemos cruzamento para a nossa área. 26 a favor e 6 pra gente. Foram indicadores muito ruins. Tenho que ficar preocupado. Não posso sair de um jogo desse e montar o mesmo time. FOi o primeiro jogo de muitos no Maracanã também. Acho que temos um componente bom que foi a aplicação, o comprometimento com a parte tática. É muito perigoso isso. Gegê dá mais mobilidade, compactação, posso soltar o Tomas. A saída do Samir foi um ponto que mudou o jogo. Fiquei preocupado", analisou René.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Botafogo

Após realizar apenas atividades técnicas e táticas no treino desta sexta-feira, René afirmou que o Botafogo vai pra cima do Fluminense no domingo e quer o Alvinegro comande as ações e controle a partida desde o inicio, diferente do comportamento adotado pela equipe no clássico contra o Flamengo.

LEIA MAIS: Notícias, resultados e bastidores do Campeonato Carioca

"Eu começo o jogo querendo propor e controlar o Fluminense. Se não der vou mudar o estilo. Não estou espelhando meu time no do Fluminense. O Botafogo tem uma forma de jogar e vai manter essa forma do jogo. Me preocupou muito. Em todos os outros jogos foi o Botafogo que comandou as ações. Nesse jogo em momento algum controlamos as ações. Uma série de razões que acontecem no jogo nos fizeram levar os três pontos, até mesmo o comprometimento do grupo", disse.

Confira outros trechos da coletiva de René Simões:

Liderança de Jefferson

"Não é só o Jefferson, mas toda uma equipe de trabalho por trás. Ontem (quinta-feira) o Antônio Lopes conversou comigo que o Jefferson vai chegar no dia 30 da Europa (após servir a Seleção), cansado, vamos dar um dia para que ele descanse e aí viaje para a Paraíba. Falei para o professor: "O Jefferson vai viajar com a equipe, ele vai querer". Ele foi lá, conversou com o Antônio Lopes, e veio feliz da vida dizer que sai de um avião para o outro na correria só para jogar. Estou há quatro anos no Botafogo, foi a primeira vez que um cara que nem o professor Antônio Lopes fez isso comigo. Fez toda a preparação, me ofereceu um dia de folga e eu não quis. Pela primeira vez em quatro anos de clube alguém me chama para discutir essa programação."

Peso de clássicos seguidos

"Sem querer desmerecer. O problema ali não foi o clássico, mas o jogo. Poderia ser o contra o Nova Iguaçi que tivemos dificuldade e só viramos no finzinho. Em momento algum senti que tínhamos o jogo na mão. Sentia que tinha de trabalhar muito, a equipe entender o que estava acontecendo, se não íamos perder o jogo e perder bem. Não foi o clássico, já que contra o Nova Iguaçu também foi bem desgastante."

Fernandes e futuro do jogador na Seleção Olímpica

"Achei que eu precisava de outros jogadores. Eu precisava de muita força e por isso eu botei o Dierson e o Gegê também. Era isso que pensávamos do Flamengo. O Fernandes não perdeu espaço comigo, continuo achando um menino com um talento excepcional. Acho que ele tem chance para qualquer coisa. Chegar numa seleção olímpica não sei, ainda mais por ser ano que vem. Temos um planejamento na CBF, eu acho, então o time deve estar montado e fez jogos pensando nisso. Pra algum ganhar a vaga terá de ser excepcional."

Preocupação com Fred

"Tivemos uma conversa sobre o Alecsandro, tivemos sobre o Marcelo Cirino, sobre o Márcio Araújo. Não podemos dizer que é só o Fred. Tem Wagner, tem Jean. Cada setor foi alertado sobre a qualidade de cada setor. Tem o W. Silva que vem muito bem e, claro, tem o Fred."