Eliminados, camaroneses apostam na Alemanha

Torecedores africanos lamentam campanha ruim e não levam fé na seleção do Brasil

Por O Dia

Brasília - As belas curvas da catedral de Brasília, projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer, foram apenas o prêmio de consolação para dois simpáticos camaroneses em Brasília. Hessede Andre e Daniel Ate estão tristes com a eliminação precoce de sua equipe:

‘Não fomos competitivos, mesmo assim acredito que é possível bater o Brasil porque será uma partida de honra para nós. Não podemos sair da Copa sem fazer um ponto ou marcar um gol. O objetivo na partida será esse", disse Ate, que foi complementado por Andre:

Camaroneses estão eliminados da CopaRodrigo Stafford

‘Tivemos muitos problemas internos, não deram o dinheiro que os jogadores pediram. Isso tudo atrapalhou nossa campanha".

LEIA MAIS: Notícias e bastidores da Copa do Mundo

Ate e Andre tiraram fotos com muitos brasileiros nas capitais que visitaram, Manaus, Rio, São Paulo e Natal. Em Brasília não foi diferente, mas nem por isso eles deixaram de criticar o time de Felipão.

LEIA MAIS: A tabela e a classificação da Copa do Mundo

"Não acredito que o Brasil será o campeão. Estou surpreso com a França e acho que ela vai bem, mas a Alemanha é a grande favorita e aposto nela", decretou Ate.

Africanos querem se despedir de cabeça erguida

As fisionomias de Volker Finke e do meia Salli na coletiva eram a expressão da eliminação precoce. Enquanto o jogador mantinha o olhar distante durante as respostas, o técnico, mesmo abatido e admitindo ter dificuldade para mobilizar o grupo, prometeu deixar boa impressão na despedida da Copa.

“Infelizmente não tem pressão para nós, só queremos fazer uma excelente partida. Estamos nos preparando para jogar como se fosse uma decisão. Ninguém quer deixar uma impressão ruim. Queremos recuperar a reputação dos jogadores e da seleção”, avisou Finke.

O técnico se irritou ao falar sobre a crise da premiação. Esse foi apenas um dos problemas de Camarões, que ainda teve a cabeçada de Assou-Ekotto em Moukandjo na derrota para a Croácia, o que irritou Finke.

“Foi inaceitável. Fair play é importante. Como profissionais que ganham muito dinheiro, eles devem dar exemplo aos jovens. Não vou fazer grandes sermões, mas haverá consequência aos jogadores envolvidos”, avisou

Últimas de _legado_Copa do Mundo