Argentina sofre, mas vence a Suíça no fim da prorrogação e avança às quartas

Di María fez o gol salvador dos hermanos em jogada iniciada por Messi; Albiceleste espera o vencedor do confronto entre Bélgica e Estados Unidos, às 17h, na Arena Fonte Nova

Por O Dia

São Paulo - Ninguém está tendo vida fácil nesta Copa do Mundo. Brasil, Holanda, França e Alemanha tiveram dificuldades nas oitavas de final. A tradição falou mais alto e essas seleções seguiram adiante, eliminando Chile, México, Nigéria e Argélia, respectivamente. A Argentina fez o mesmo, nesta terça-feira, na Arena Corinthians. Sofreu, passou sufoco, pressionou, tentou inesgotáveis alternativas e, no fim, respirou aliviadamente com a vitória sobre a Suíça por 1 a 0, nos minutos derradeiros do segundo tempo da prorrogação, com gol salvador de Di María. Não sem antes levar sufoco, com bola na trave e falta na entrada da área. 

A Messidependência foi notória mais uma vez. Com o camisa 10 bem marcado, a Albiceleste até conseguiu ter produção ofensiva, mas sem tanta eficiência. O craque foi o jogador que mais exigiu do goleiro suíço. E fez a jogada que deixou Di María na boa para fazer o gol do triunfo.

Agora, a Argentina enfrenta a Bélgica às 13h de sábado, no Estádio Nacional. O jogo é válido pelas quartas de final da Copa do Mundo.

FOTOGALERIA: Confira as imagens da vitória da Argentina

Argentina e Suíça fizeram duelo emocionante na Arena CorinthiansMurilo Constantino

LEIA MAIS: Sabella comemora classificação

LEIA MAIS: Di María celebra o gol marcado

O JOGO

A proposta de jogo era clara. A Argentina buscava o ataque e a Suíça aguardava para sair rapidamente no contragolpe. Até a metade do primeiro tempo o que se viu foi pouco futebol. Os hermanos, em vão, apelavam para as jogadas individuais tentando furar o bloqueio. Os suíços pouco tocavam na bola. Apesar disso, tiveram a primeira grande chance. Shaqiri limpou o marcador na ponta direita, invadiu a área e tocou para Xhaka. O meia, sozinho, bateu em cima de Romero.

A Albiceleste não perdeu tempo e respondeu em seguida. Lavezzi pegou a sobra depois da divida de Higuaín com a zaga suíça, mas chutou sem força e facilitou a defesa de Benaglio. As melhores oportunidades, no entanto, eram do país europeu. Shaqiri tabelou com Drmic. O atacante apareceu sozinho na frente de Romero, tentou bater por cobertura e levou ao desespero brasileiros e suíços na Arena Corinthians. A bola ficou com goleiro argentino.

Na segunda etapa, a estratégia das duas equipes seguiu a mesma. A Suíça, no entanto, acabou recuando demais. A Argentina, sem sofrer com os contra-ataques, partiu para pressão. O lateral-esquerdo Rojo apareceu como elemento surpresa e quase marcou. Benaglio, meio esquisto, espalmou e afastou o perigo.

Em seguida, o arqueiro fez ótima defesa em cabeçada de Higuaín. Messi arriscou de longe e tirou tinta da trave. Palacio, substituto de Lavezzi, aproveitou cruzamento de Messi, testou firmemente e por pouco não fez o primeiro da partida. Os europeus se seguravam como podiam. Era um verdadeiro bombardeio argentino. Benaglio salvou arremate de Messi e no rebote saiu nos pés de Palacio para evitar o gol. A Albiceleste tentou diversas alternativas, porém, não conseguiu furar a muralha suíça no tempo normal. A partida foi para prorrogação.

TEMPO EXTRA

No primeiro tempo os hermanos não conseguiram imprimir uma pressão nos europeus, que passaram a respirar um pouco mais aliviados. O duelo se concentrava muito no meio de campo e os suíços valorizavam o toque de bola. As duas equipes sentiam o cansaço. Na segunda etapa, Di María assustou em chute de fora da área. Benaglio apereceu bem e mandou para escanteio. A Argentina até conseguiu encurralar o adversário, mas pecava nas finalizações. No entanto, Messi chamou a responsabilidade, fez grande jogada e deixou Di María na boa. O meia bateu colocado e correu para o abraço: 1 a 0. O duelo era emocionante. No fim, A Suíça ainda acertou a bola na trave, mas a tarde era mesmo dos hermanos, que avançaram às quartas. 

ARGENTINA 1 X 0 SUÍÇA

Estádio: Arena Corinthians

Árbitro: Jonas Eriksson (Suécia)

Público 62.255

Gols: Di María (12'2ºT da prorrogação) 

Cartões Amarelos: Xhaka (Suíça), Gelson Fernandes (Suíça), Rojo (Argentina), Di María (Argentina) e Garay (Argentina)

Cartões Vermelhos:

Argentina: Romero, Zabaleta, Garay, Fernandéz, Rojo; Mascherano, Gago, Di María; Lavezzi (Palacio), Messi e Higuaín.

Suíça: Benaglio, Lichtsteiner, Djourou, Schär, Rodriguez; Behrami, Inler, Xhaka (Gelson Fernandes), Mehmedi, Shaqiri; Dmic

Últimas de _legado_Copa do Mundo