Por fernanda.magalhaes

Brasília - O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, entrou em férias nesta terça-feira, mas não expediu o mandado de prisão do deputado federal e ex-presidente da Câmara João Paulo Cunha (PT-SP). Segundo a assessoria do tribunal, o documento ainda não foi enviado à Polícia Federal (PF) porque a Secretaria Judiciária do Supremo ainda não conseguiu concluir toda a documentação necessária. Cunha aguarda a expedição do mandado para se apresentar à PF.

De acordo com a assessoria de imprensa do STF, não deu tempo para concluir a documentação, que precisa ser enviada à Câmara dos Deputados, para dar início ao processo de cassação do mandato, ao juiz da Vara de Execuções Penais (VEP) do Distrito Federal e para a Polícia Federal. Além do mandado de prisão, a Corte precisa enviar uma carta-sentença para comunicar os órgãos sobre as penas e os crimes pelos quais Cunha foi condenado.

Joaquim Barbosa entrou em férias sem assinar o mandado de prisão. Assessoria do Supremo alega que não houve tempo para a expediçãoDivulgação

Barbosa entrou em férias hoje. Como o Supremo está em recesso até o início de fevereiro, a presidência da Corte será exercida interinamente pela ministra Cármen Lúcia até o dia 19 de janeiro. Após a data, o ministro Ricardo Lewandowski, vice-presidente do STF, assumirá o plantão do STF. Com as férias de Barbosa, Cármen e Lewandowski poderão expedir o mandato.

Nesta seguna-feira, Barbosa negou os recursos apresentados pela defesa de Cunha e encerrou a Ação Penal 470, o processo do mensalão, para João Paulo. Ele cumprirá pena de seis anos e quatro meses de prisão no regime semiaberto pelos crimes de corrupção e peculato.

De acordo com o advogado de João Paulo Cunha, Fernando da Nóbrega, seu cliente está “tranquilo, calmo e sereno” e decidido a cumprir a decisão da Justiça. O advogado conversou com jornalistas na frente da casa do parlamentar, na tarde desta terça-feira, em Brasília. Ele disse que Cunha está na cidade, mas não confirmou se está em casa. De acordo com o advogado, o deputado está apenas aguardando o mandado de prisão para se apresentar.

PT faz vaquinha para pagar as multas dos condenados

O presidente do PT de São Paulo, Emídio de Souza, informou nesta terça-feira que o partido vai pedir aos militantes que façam uma vaquinha para pagar a multa de R$ 468 mil imposta pelo Supremo Tribunal Federal ao ex-presidente do partido José Geonoino. O ex-deputado alega que não tem o dinheiro. 

A vaquinha poderá ser usada para pagar também as multas de outros petistas, quando for necessário. Além de Genoino, foram intimados a pagar as multas em 10 dias os empresários Marcos Valério (R$ 3 milhões), Cristiano Paz (R$ 2,5 milhões), Ramon Rollerbach (R$ 2,8 milhões) e o ex-deputado Valdemar Costa Neto (R$ 1 milhão).

Você pode gostar