Que tal fugir um pouco do Facebook?

Se você ainda não conhece o Medium.com, não sabe o que está perdendo

Por O Dia

Rio - Comecei a usar o Facebook tão logo começaram a falar sobre ele. Criei meu perfil lá nem tanto pelos ossos do ofício, mas porque uma das minhas filhas estava morando onde não se usava mais o saudoso Orkut — àquela altura, já estava devidamente bagunçado e tudo bem, porque é disso que o povo gosta. “Maneiro” mesmo, garantia minha filha, era o Facebook,que prometia um ambiente sadio de troca de ideias, com bons interlocutores.

E assim foi. Hoje, como sabemos, o Facebook tem de tudo — e também devidamente bagunçado. É bom porque fica claro o que nossos “amigos” andam pensando. É muito agitado, surpreendente e, com frequência, decepcionante. Mas, como se sabe, você é o responsável por boa parte do que aparece na sua linha do tempo, também chamada de timeline. Enfim, posso dizer que o Facebook, hoje uma espécie de parada obrigatória na internet, me enche a paciência, mas não tenho como me livrar dele — e aí, sim, por ossos do ofício. Minhas filhas já o abandonaram há muito tempo. Ou me bloquearam, quem sabe...

Bom... Essa longa conversa é para falar que, se você ainda não conhece o Medium.com, não sabe o que está perdendo. A gente encontra por lá muitos textos bem sacados, reflexões informativas, inteligentes e úteis. Então, melhor aproveitar enquanto ninguém compartilha bichinhos fofos, frases e vídeos idiotas. Questão de tempo.

O GAME COPIA A VIDA

Site redesenha as heroínas de games para deixá-las mais próximas da vida realDivulgação

Eis uma ótima ideia da equipe do site Bulimia.com, que trata de distúrbios alimentares: redesenhar as heroínas de games para deixá-las mais próximas da vida real. Assim como a loura aí acima (do GTA V), no site você também encontra a versão mais honesta de personagens como a Lara Croft ou a Cortana (Halo 5). Brincadeira à parte, o recado é sério. Muitas vezes provocada pela ditadura da magreza, a bulimia é um problema grave que afeta entre 1% e 3% das adolescentes dos EUA. O site tem boas dicas a respeito.

NOVIDADE NO ZAPZAP

E o WhatsApp está implementando uma funcionalidade importante: vai permitir que o usuário silencie os contatos, o que só era possível, até agora, para as conversas em grupo. É uma boa novidade, que evita que aqueles amigos mais impertinentes fiquem o tempo todo zoando sua boa vontade. Por ora, essa nova versão do WhatsApp (número 2.12.194) ainda não está no Google Play, podendo ser baixada apenas no site da empresa. Na nova versão, os usuários também poderão marcar mensagens como não lidas — algo que costumo fazer bastante no e-mail.

CONSUMIDOR JOVEM

Nada menos que 77% dos brasileiros entre 10 e 17 anos estão conectados à rede. Pelo menos é o que diz o Comitê Gestor da Internet no Brasil. Os dados são importantes, por exemplo, para você que tem uma loja de equipamentos de informática e está pensando na clientela do futuro. A principal ferramenta de acesso à internet, entre essa turma, é o celular. Seus maiores interesses são as redes sociais (73%), trabalhos escolares (68%) ou pesquisas (67%) e a troca de mensagens com os amigos (64%).

>>> Nem tudo está perdido: em apenas dois meses, o aplicativo brandZapp chegou a 18 mil usuários ativos. Melhor: recebeu um investimento de R$ 2,5 milhões do fundo Criatec 2 — que tem gestão da Bozano Investimemto. Sinal de que o importante é ter uma boa ideia.

NOTAS

ÁGUA POTÁVEL

A empresa dinamarquesa Grundfos instalou em algumas favelas de Nairóbi, no Quênia, uma bomba hidráulica parecida com os caixas eletrônicos: em vez de fornecer dinheiro aos clientes, oferece água potável. Preço: 40 litros custam o equivalente a um centavo de dólar. Antes, custavam umas 50 vezes essa quantia. O sistema usa um cartão eletrônico, que deve ser recarregado à medida que os créditos acabarem. É uma solução curiosa e inteligente para uma triste situação. Da qual, aliás, muitas regiões daqui do Brasil não estão livres. Será que um dia precisaremos usar algo assim? Melhor nem pensar...

NÃO É POR AÍ

Vocês viram que um cliente da Nextel quebrou a loja da operadora Nextel lá na Barra, né? A gente sabe que as operadoras não são exatamente exemplo de atendimento ao consumidor. São deveras irritantes mesmo. Mas já pensou se a moda pega?

Últimas de _legado_Economia