Governo do Rio arrecada R$ 1 bilhão com leilão do Fundes

Recursos vão aliviar contas do estado

Por O Dia

Julio Bueno, secretário estadual de Fazenda: confiança do investidor José Pedro Monteiro / Agência O Dia

Rio - O governo do Rio conseguiu arrecadar ontem R$ 1, 06 bilhão, que aliviará as contas do estado este ano. Os recursos foram obtidos pelo leilão dos créditos do Fundo de Desenvolvimento Econômico e Social (Fundes), realizado pela Secretaria de Estado de Fazenda do Rio. A operação era a principal aposta do estado para obter recursos para pagamento da segunda parcela do 13º salário dos 460 mil servidores ativos, inativos e pensionistas.

A carteira do Fundes — composta pelas empresas Ambev, Peugeot, Brasil Kirin e Braskem — foi arrematada em lance único, pelo Bank of America Merrill Lynch, representando fundos de investimento internacionais.

Em nota, a Secretaria Estadual de Fazenda afirmou que a arrecadação traz “um importante fôlego para as finanças do estado”, mas admitiu que os recursos não são suficientes para erradicar a atual crise.

“O resultado do leilão mostra a confiança dos investidores no Rio, neste momento difícil da economia brasileira, confirmando que os esforços que o governo estadual está empreendendo continuam dando bons resultados”, declarou o secretário estadual de Fazenda, Julio Bueno.

Além de equilibrar as contas deste ano, o governo do Rio também precisará cobrir um provável déficit de R$ 14 bilhões nas contas do ano que vem. O montante foi estimado pelo presidente da Comissão de Tributação, Controle e Arrecadação Estadual, deputado estadual Luiz Paulo Corrêa da Rocha (PSDB).

Acordo para CPMF de 0,38%

O presidente da Frente Nacional de Prefeitos, Márcio Lacerda, disse ontem que há entendimento sobre uma alíquota de 0,38% para a recriação da Contribuição sobre Movimentação Financeira (CPMF), sendo 0,20% para a União, 0,09% para estados e 0,09% para municípios.

A reunião da Frente ontem, em Brasília, teve a presença do ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, governadores e representantes municipais.

Últimas de _legado_Economia