Nairóbi inicia primeiro dia de luto por vítimas de atentado em shopping

Cidade permanecerá de luto por três dias, pela morte de 72 pessoas em atentado de milícia radical islâmica

Por juliana.stefanelli

Nairóbi (Quênia) - A cidade de Nairóbi iniciou nesta quarta-feira o primeiro dos três dias de luto oficial pelas vítimas do atentado ao shopping center Westgate pela milícia radical islâmica da Somália, Al Shabab, onde pelo menos 72 pessoas morreram, embora ainda existe o temor de que o número possa ser maior.

Após a conclusão da operação do Exército, "a prioridade é a imediata recuperação dos corpos", para a qual o Quênia conta com a colaboração de especialistas em medicina legal de Israel, Estados Unidos e Reino Unido, informou o chefe do Serviço Público do Quênia, Francis Kimemia, através do Twitter.

Após quatro dias de cerco ao centro comercial pelo Exército do Quênia, a ocupação terminou na tarde de ontem com a morte de, pelo menos, 61 civis, seis soldados quenianos e cinco milicianos. O Westgate foi tomado durante a madrugada por investigadores da polícia queniana. "A prioridade será a retirada dos escombros para facilitar a recuperação imediata dos corpos", apontou.

Nos arredores do Westgate, começou a retirada dos veículos estacionados por seus proprietários, que deverão se identificar antes. "Análise crítica e medidas nacionais estritas", são as premissas que vão orientar a ação do governo queniano após o fim do atentado, disse Kimemia.

Em um pronunciamento televisivo para o país, o presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, declarou ontem o fim da pior ação terrorista que atingiu o país desde o atentado de 1998 contra a Embaixada dos Estados Unidos em Nairóbi, no qual morreram mais de 200 pessoas.

No entanto, o presidente queniano advertiu que três andares do centro comercial Westgate, situado ao norte do centro da capital, desabaram durante as operações das forças de segurança para render os terroristas, e que há corpos entre os escombros, entre eles alguns fundamentalistas.

Além das mortes, o ataque deixou 175 pessoas feridas, das quais 62 continuam hospitalizadas, enquanto mais de 60 pessoas estão desaparecidas. A Cruz Vermelha continua pedindo à população que doe sangue para os feridos em pontos emblemáticos da cidade, como o Uhuru Park, um dos maiores de Nairóbi.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência