Armênia acusa Turquia de continuar negando genocídio

Pela primeira vez, um governante turco apresentou 'pêsames' as famílias do genocídio que aconteceu nos últimos anos do império otomano, entre 1915 e 1917

Por O Dia

Rio - Serge Sarkisian, presidente Armênia, acusou a Turquia de "continuar com a política de negação" do genocídio de 1915 durante o império otomano, após Ancara ter desejado pela primeira vez "pêsames" pelo massacre.

"O genocídio segue existindo enquanto o sucessor da Turquia otomana continuar com sua política de negação total. Estamos convencidos de que a negação de um crime constitui sua continuação direta. Apenas o reconhecimento e a condenação podem impedir que este crime se repita no futuro", disse Sarkisian através de comunicado. 

O primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, apresentou os pêsames da Turquia "aos netos dos armênios mortos em 1915" nos ataques contra esta comunidade sob o império otomano nesta quarta-feira. Esta foi a primeira vez que um chefe de Governo turco falou abertamente sobre a tragédia que aconteceu entre 1915 e 1917, nos últimos anos do império otomano, e considerada um genocídio por vários países. Mas, Erdogan evitou dizer a "genocídio", que a Turquia nega veementemente.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência