Síria sofre ataque aéreo

Forças da Coalizão bombardeiam alvos controlados pelo Estado Islâmico

Por O Dia

Kobani - Forças da coalizão internacional, lideradas pelos Estados Unidos, bombardearam ontem posições do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) no leste e norte da Síria, próximo à fronteira da Turquia, e um campo de petróleo.

A fumaça negra dos bombardeios foi vista em diversos pontos controlados pelos jihadistas em KobaniReuters

Os ataques aéreos aconteceram na cidade de Kobani, na fronteira curdo-síria. Em retaliação ao bombardeio, o EI atacou um acampamento de refugiados, próximo da fronteira turca, matando dois civis. “Foram ouvidos quatro ataques aéreos próximos ao campo petroleiro Al Tanak e na província de Deir Ezor, contra um posto controlado pelo EI, que mataram duas pessoas”, noticiou a ONG, Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

A cidade fronteiriça de Kobani se tornou o símbolo de resistência da coalizão para deter o avanço das forças do Estado Islâmico. Ela é uma das poucas onde a coalizão consegue coordenar ataques aéreos com terrestres. Na última sexta, as forças curdas do Iraque conseguiram avançar na cidade, recuperando alguns dos vilarejos que estavam controlados pelos insurgentes, apesar disso não romperam o cerco dos jihadistas na cidade.

Os 150 combatentes curdos, porém, não vão se envolver em combates diretos em Kobani, segundo ordens do Governo Regional do Curdistão, que administra uma região semi-autônoma no norte do Iraque. Eles levaram apenas armas pesadas e apoio estratégico para os curdos sírios.

As frentes de batalha em Kobani, no entanto, pouco mudaram. O leste da cidade continua controlado pelos militantes radicais, e a maior parte do oeste está nas mãos das Unidades de Proteção do Povo (YPG), o principal braço armado do partido curdo da Síria. O Estado Islâmico também controla a maioria dos campos petrolíferos na província de Deir, perto da fronteira iraquiana.

Carro-bomba

Uma série de atentados, com seis carros-bomba, matou pelo menos 33 pessoas e deixou mais de 100 feridas ontem nos bairros xiitas de Bagdá, capital do Iraque. O Estado Islâmico reivindicou a autoria de alguns dos atentados. Eles e outros grupos extremistas sunitas consideram que os xiitas, com frequência alvo desses ataques, são hereges.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência