FMI diz que EUA devem esperar até ano que vem para elevar taxa de juros

O FMI baixou de 3,1% para 2,5% a 3% a previsão de crescimento da economia norte-americana em 2015 e 2016

Por O Dia

Brasília - O Fundo Monetário Internacional (FMI) revisou nesta quinta-feira para baixo a previsão de crescimento para os Estados Unidos em 2015 e recomendou que o Federal Reserve (Fed), o Banco Central americano, espere até 2016 para elevar a taxa básica de juros do país.

O FMI baixou de 3,1% para 2,5% a 3% a previsão de crescimento da economia norte-americana em 2015 e 2016, respectivamente. No relatório sobre a economia dos EUA, o FMI também elevou ligeiramente a projeção de inflação para este ano, de 0,4% para 0,7%, e indicou que a meta do Fed, de uma taxa de inflação próxima de 2%, só será atingida em meados de 2017.

Diante desse quadro, o FMI considerou que o Fed só deve aumentar as taxas de juros no primeiro semestre de 2016. A presidente da instituição norte-americana, Janet Yellen, e o Comitê de Política Monetária do banco têm dado sinais de que poderá haver um aumento ainda este ano.

Segundo o FMI, o Fed deve esperar “por sinais tangíveis de aumento dos salários e dos preços” antes de iniciar a normalização da sua política monetária. “Atrasar um aumento das taxas de juros seria um seguro importante contra os riscos de uma baixa da inflação”, avaliou o FMI, que considera necessário “conservar as taxas entre 0 e 0,25% até o primeiro semestre de 2016”. As taxas de juros de referência da Fed estão neste nível desde o fim de 2008.

De acordo com o FMI, o aumento dos juros, que seria o primeiro em quase nove anos, pode provocar “uma volatilidade importante”. O fundo internacional sugere ainda uma melhoria da comunicação, com conferências de imprensa após cada reunião de política monetária, o que não ocorre atualmente.

Na avaliação do FMI, a valorização registrada nos últimos meses tornou o dólar “moderadamente sobrevalorizado”, mas há ainda o risco de uma nova valorização, que seria “nefasta”.

            

Últimas de _legado_Mundo e Ciência