Wilson Diniz: Os peemedebistas estão rachados e sem rumo

O Brasil é campeão em concentração de renda, e a conjuntura se agrava em períodos longos de recessão, como nos anos 80

Por O Dia

Rio - Mago das previsões de eleições nos EUA, Nate Silver afirma que os ciclos recessivos da economia duram de dois a seis anos. Também faz severas críticas aos analistas de TV: chama de “porco-espinho” quem faz previsões em cima de premissas falsas e muda de ideia segundo as circunstâncias.

Jornalistas pouco falaram das generalidades do último programa de governo do PMDB, ‘Uma ponte para o futuro’, lançado por Moreira Franco e Michel Temer sem o aval das lideranças do partido no Rio, que não foram ao fórum em Brasília — em apoio a Dilma Rousseff.

O programa, que é uma ‘colcha de retalhos’ pior do que o elaborado por José Serra em 1984 para Tancredo Neves, já nasce envelhecido, sem mostrar com clareza como mudar o quadro recessivo da economia e o desemprego — que já atinge 13% nas seis principais capitais.

Considerando os grotões — pequenos municípios com menos de 25 mil eleitores —, o desemprego é estrutural, mas sequer é mencionado pela cúpula do partido, que não conhece os nove estados do Nordeste, ainda dominado pelas oligarquias.

Pergunta-se: Moreira Franco, Eduardo Cunha e Michel Temer conhecem os 4.689 grotões que dependem de políticas compensatórias de renda? Conhecem a cópia neoliberal do programa do PSDB que contempla as elites do capital industrial e do mercado financeiro com financiamento do BNDES e de taxas de juros Selic na faixa de 15%?

O Brasil é campeão em concentração de renda, e a conjuntura se agrava em períodos longos de recessão, como nos anos 80 de Delfim Neto. Estudo publicado por organismos internacionais fotografa que a economia brasileira tem previsão de queda na faixa de 2% em 2016 e a de 2018 não é diferente — basta ver que o barril do petróleo deve ficar na faixa dos 50 dólares.

A massa de desempregados chega a 22,5 milhões de brasileiros, e o subemprego bate recordes. Os 1.025 municípios comandados pelo PMDB são grotões, com renda média de R$ 1.428, com exceção do Rio de Pezão e Paes, que apoiam a presidenta Dilma sem avalizar as trapalhadas de Eduardo Cunha e os blefes de Temer e Moreira — que quebrou o Rio quando foi governador. O PMDB está rachado e sem rumo. Volto ao tema.

Wilson Diniz é economista e analista político

Últimas de _legado_Opinião