Caso Amarildo: Viaturas do Bope estavam sem GPS

Perícia constatou problema, que impossibilita saber que trajeto foi feito por PMs no dia do desaparecimento do pedreiro

Por thiago.antunes

Rio - Perícia constatou que uma das quatro viaturas do Bope que estiveram na Rocinha dia 14 de julho — data do desaparecimento do pedreiro Amarildo de Souza — tinha o GPS do rádio desligado e outra estava sem o equipamento. Os problemas impossibilitaram descobrir que trajeto foi feito. Há suspeita de que os carros tenham sido usados para retirar o corpo de Amarildo da favela. O Ministério Público vai requisitar imagens de câmeras do batalhão.

Os GPS das outras duas viaturas mostraram que elas saíram da sede do Bope, foram à Rocinha e voltaram à unidade sem passar por outro lugar. Uma delas chegou a Laranjeiras às 03h05, mas o GPS de outra foi desligada seis minutos antes de chegar ao local. Câmeras da UPP registraram a chegada do Bope à favela às 23h59.

Para os investigadores, os veículos circularam em baixa velocidade do batalhão à Rocinha, uma vez que foram chamados para garantir a segurança da UPP que estaria em iminência de ser atacada. O reforço na segurança foi pedido pelo ex-comandante da UPP, major Edson Santos, preso acusado de matar Amarildo. Ontem, os PMs do Bope prestaram depoimento na 8ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia