Motorista que provocou tragédia é transferido para hospital particular

Luiz Fernando da Costa, 30 anos, estava internado no Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra

Por O Dia

Rio - O motorista Luiz Fernando da Costa, de 30 anos, que dirigia o caminhão que provocou a tragédia na Linha Amarela, que terminou com quatro pessoas mortas e outras cinco feridas, foi transferido do Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, para uma unidade particular.

De acordo com a Secretária Municipal de Saúde, a transferência de Luiz Fernando aconteceu durante a madrugada desta quarta-feira. O hospital particular para o qual ele foi levado não foi divulgado. Ainda segundo o órgão, o motorista sofreu uma lesão abdominal e estava sob observação na unidade.

Houve falha mecânica, diz motorista

A polícia irá investigar se houve falha mecânica no acidente na Linha Amarela, ontem de manhã. A hipótese se baseia em uma conversa informal entre o delegado Fábio Asty, da 44ª DP (Inhaúma) e o motorista Luis Fernando Costa, 30 anos, à tarde, no Hospital Lourenço Jorge, na Barra, Zona Oeste, mas só poderá ser confirmada oficialmente com a conclusão da perícia (dez dias).

>>>GALERIA: Tragédia na Linha Amarela deixa quatro mortos

Caminhão derrubou passarela e causou tragédia no via%2C na altura de Pilares Fabio Gonçalves / Agência O Dia

“O motorista disse que só percebeu que a caçamba estava erguida na hora da colisão. Erguer a caçamba em movimento seria possível, mas demandaria uma força física muito grande. Acreditamos que pode ter ocorrido um defeito mecânico”, disse o delegado.

O tacógrafo irá verificar qual era a velocidade da carreta no momento do acidente. Com ruptura no fígado e duas costelas quebradas, o motorista só deve prestar depoimento na delegacia quando tiver alta hospitalar. Se condenado por homicídios e lesões culposas, pode pegar até 24 anos de prisão.

Manutenção negligenciada permite que força aerodinâmica levante carroceria

Temidos nas rodovias de todo o país, os areieiros, como são chamados os motoristas de caminhões basculantes, já protagonizaram acidentes graves ao longo da história. Até os motoristas dos demais caminhões ‘saem da frente’, porque eles ‘pilotam’ máquinas curtas e leves com motor forte para levar uma carga compacta e pesada como areia ou lama. Assim, vazios, voam baixo.

O episódio da Linha Amarela, entretanto, pode ter mais motivos do que a imprudência com a deliberada elevação da caçamba: a manutenção do pistão hidráulico, que executa a função, quando negligenciada, permite que a força aerodinâmica levante a carroceria. Isto aconteceu pelo menos outras duas vezes, nos EUA e na Turquia, quando caminhões ‘areieros’ derrubaram passarelas.

Clique no infográfico para ver maiorArte%3A O Dia

A possibilidade de o motorista do caminhão estar usando um celular também poderia ter facilitado o acidente, uma vez que o telefone demanda as mesmas áreas do cérebro que as exigidas para dirigir. Aí, direção rima com distração.

Dispositivo difícil de ser acionado

Acionar o dispositivo para elevar a caçamba de um caminhão do tipo do que causou o acidente não é tarefa simples. É preciso que o motorista faça pelo menos três movimentos com pé e mãos.

No site da Secretaria Municipal de Transportes consta que o caminhão tem três multas, duas gravíssimas e uma grave. Em abril de 2013, por bloquear uma via. Em julho de 2012, com uma multa gravíssima em Botafogo. E em março do mesmo ano, por estacionar na calçada). O motorista do caminhão, Luis Fernando Costa há seis meses na empresa e estava com a carteira (categoria D) em dia. O veículo passou por reparos na caixa de marchas e foi devolvido à empresa no domingo.

Últimas de Rio De Janeiro