Com medo dos Black Blocs, rodoviários cancelam protesto no Centro

Em virtude da violência que vem ocorrendo nos protestos anteriores, presidente do sindicato decidiu adiar o ato

Por O Dia

Rio - A manifestação dos rodoviários que estava marcada para as 15h30 desta quarta-feira no Centro da cidade foi cancelada. Segundo o presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus da Cidade do Rio (Sintraturb), José Carlos Sacramento, a violência que vem ocorrendo nos protestos anteriores por conta do grupo dos Black Blocs afastou os profissionais. 

"Nós íamos fazer uma manifestação contra o aumento da violência nos ônibus. Motoristas e cobradores vêm sofrendo sérias agressões. Mas decidimos cancelar o ato por conta dos Black Blocs que estão tumultuando os protestos. A morte do cinegrafista Santiago Andrade e vários outras ações violentas que foram noticiadas fez com que adiássemos o protesto", disse Sacramento. 

'Quem esconde rosto em protesto não é democrata', ataca Dilma

A presidenta Dilma Rousseff defendeu nesta quarta-feira o endurecimento das penas aplicadas aos condenados por crimes cometidos durante manifestações públicas. Como confirmado nesta terça pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, Dilma afirmou que o governo trabalha numa proposta de legislação que coíba toda forma de violência durante os protestos de rua.

“Os órgãos de segurança pública devem coibir a violência, cumprindo a lei, mas é preciso reforçar a lei e aplicar a Constituição, que garante a liberdade de manifestação, mas ela veda, proíbe o anonimato. Então estamos trabalhando numa legislação para coibir toda forma de violência em manifestações”, disse a presidenta em entrevista a rádios de Alagoas, lembrando que a violência já levou à morte de “um pai de família”, o cinegrafista da TV Bandeirantes, Santiago Ilídio Andrade, ferido por um rojão em uma manifestação no dia 6 de fevereiro, no Rio de Janeiro.

Cena em protesto em SP. 'Pessoas que matam ou destroem patrimônio público são criminosas', diz DilmaReuters

A presidenta disse que a maioria dos manifestantes exerce pacificamente seus direito de exigir e propor mudanças, mas criticou a ação de black blocs, que escondem o rosto durante os protestos. “Eu repudio completamente o uso da violência em manifestações e acho inadmissível num país democrático atos de vandalismo. Pessoas que usam da violência, pessoas que escondem o rosto para se manifestar não são democratas. Pessoas que matam, que ferem ou destroem patrimônio público são criminosos e devem ser tratadas como tal”.

Segundo Dilma, o governo também está buscando, em discussões com secretários de Segurança e comandantes da Polícia Militar de todos os estados, protocolo comum de atuação das polícias militares em manifestações. “Nossa meta é que o Brasil disponha de um regramento unificado, que defina melhor o uso proporcional da força por meio da polícia”.

Em relação à segurança na Copa do Mundo, uma das preocupações para este ano, inclusive com repercussão do evento no exterior, a presidenta disse que as polícias estaduais e os órgãos de segurança federais estão trabalhando com reforço e em sintonia em todas as cidades-sede da competição e, se for necessário, as forças armadas também estarão preparadas para atuar. Dilma disse que foi investido R$ 1,9 bilhão para estruturar o sistema de segurança e controle, coibir atos de vandalismo e garantir o bem-estar das pessoas dos estados-sede, ficando de legado pós-Copa. “No que se refere à Copa, estaremos muito bem preparados para garantir a segurança de todos e tenho certeza de que vamos fazer a Copa das Copas”.

Últimas de Rio De Janeiro