Audiência discute remoção de favela

Mesmo com a decisão judicial, moradores continuam a erguer barracos no local

Por O Dia

Rio - Famílias que ocupam, há uma semana, os prédios e o terreno na Rua Dois de Maio, no Engenho Novo, pertencente à companhia telefônica Oi, terão que deixar a área nos próximos dias. O cumprimento da liminar, concedida na sexta-feira e que determinou a reintegração de posse da área, será definido em uma reunião marcada para hoje, com a participação de representantes da Polícia Militar, dos Bombeiros, do Conselho Tutelar das secretarias municipais e estaduais, além da Defensoria e do Ministério Público.

O 3º BPM (Méier) já recebeu a liminar da Justiça, mas vai aguardar o desfecho da audiência solicitada pela juíza Maria Aparecida Silveira de Abreu, da 6ª Vara Cível do Fórum do Méier, tendo em vista o grande número de pessoas envolvidas na invasão, e o histórico recente de conflitos na região.

Mesmo com a decisão judicial, moradores continuam a erguer barracos no local. Segundo a PM, cerca de 2 mil pessoas ocupam a área. Ontem, durante todo o dia, novos moradores chegavam ao terreno carregando tapumes de madeira para delimitar os espaços de cada um. Do lado de fora, policiais militares acompanhavam toda a movimentação.

Segundo a empresa, no momento da invasão, havia segurança patrimonial, mas diante da chegada de centenas de pessoas, as autoridades policiais foram chamadas, uma vez que se configurou uma situação de segurança pública. A Oi informou que já vinha negociando a venda do imóvel, tendo assinado inclusive termo de compromisso de compra e venda com a Prefeitura do Rio. O negócio, porém, ainda não chegou a ser fechado.

Últimas de Rio De Janeiro