'Quem depredar ônibus será preso porque isso é vandalismo', diz Pezão

Governador afirmou que ataques prejudicam trabalhadores. Frota que circula na noite desta quinta é de apenas 24%

Por O Dia

Rio - O governador Luiz Fernando Pezão condenou, na noite desta quinta-feira, os ataques aos ônibus da cidade durante a greve dos rodoviários que acontece desde esta madrugada. "Quem depredar ônibus será preso, porque isso é vandalismo. Isso prejudica o trabalhador. Não vamos tolerar vandalismo e depredação de patrimônio público e privado e nem fechamento de ruas, porque não podemos atrapalhar as pessoas que precisam chegar a seus trabalhos. Nosso governo é de diálogo, mas sem intimadação ou vandalismo", afirmou Pezão, na inaguração do Maracanã Solar.

Mais de 300 ônibus foram depredados%2C segundo Rio ÔnibusAlessandro Costa / Agência O Dia

Segundo estimativas da Rio Ônibus, apenas 24% da frota atende os passageiros na volta para casa, o que representa menos do estimado por lei em situação de greve: 30%. O secretário de Transportes, Alexandre Sansão, afirmou ao DIA que pressionaria os consórcios para que a circulação fosse maior do que os 30% garantidos em lei. No entanto, o número foi menor do que o estipulado pelo órgão.

O sindicato, que representa os quatro consórcios das empreas que operam na cidade, revelou que entrou com ação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) para que a paralisação seja considerada abusiva. De acordo com a entidade, o número de coletivos depredados subiu para 467. Até a tarde desta quinta, eram 325 veículos danificados. As avarias são, principalmente, de quebra de janelas, retrovisores e para-brisas. 

No entanto, segundo a própria planilha divulgada pela Rio Ônibus, cerca de 67% dos coletivos não foram danificados nos ataques. Os veículos já estavam avariados nas garagens.

Greve dos rodoviários complicam a vida dos passageiros nesta quinta-feira. Pontos de ônibus ficam lotados Foto%3A Alessandro Costa / Agência O Dia

Os consórcios Internorte, Santa Cruz, Intersul e Transcarioca orientaram as empresas a registrar os danos sofridos na polícia, para que os responsáveis sejam identificados. Uma trocadora da Viação Acari foi atingida por uma pedra e levada para a UPA de Marechal Hermes. Além dela, outras nove pessoas ficaram feridas em confrontos com policiais militares, que reforçaram patrulhamento nas principais vias da cidade. Pelo menos seis rodoviários foram conduzidos à delegacias e, posteriormente, liberados. Os PMs também estão nas garagens das empresas de ônibus para evitar novos piquetes.

A entidade estabeleceu um acordo com o Sindicato dos Motoristas e Cobradores (Sintraturb), que se posicionou contrário à paralisação, chegando a um acordo de 10% de reajuste salarial e 40% na cesta básica, ou R$ 140. Os grevistas reivindicam 40% de reajuste e R$ 400 reais para a cesta.






Demanda aumenta nos trens, ônibus e metrô

Mais cedo, o prefeito Eduardo Paes pediu que as outras concessionárias de serviços de transporte, como barcas, trens e metrô ampliassem seus serviços. Segundo a SuperVia, houve aumento de 7,7% na demanda, 30 mil passageiros a mais do que a média da última semana. A maior movimentação ocorreu no ramal Santa Cruz (variação de 11%), em que todas as estações pertencem a bairros do munícipio do Rio, com destaque para as estações Campo Grande, Bangu, Santa Cruz, Paciência e Senador Camará.

As barcas registraram um recorde no transporte de passageiros até às 18h30, na linha que atende Cocotá, na Ilha do Governador. Nesta quinta-feira, passaram pela linha 7.555 passageiros, 130% a mais que o mesmo período de 2013. Apesar do aumento de demanda na linha de Cocotá, a concessionária não teve problemas operacionais. No metrô, houve aumento de 12% na circulação ou 30 mil passageiros que utilizaram o transporte.

Passageiros enfrentam dia de caos para chegar ao trabalho. Mais de 50 ônibus foram depredados por conta da greve dos rodoviáriosFoto%3A Osvaldo Praddo

Para o rush da manhã desta sexta-feira, a CCR Barcas informou que está se preparando para atender a um possível aumento na demanda caso a greve dos rodoviários continue, reforçando o efetivo operacional das estações e embarcações com possibilidade de viagens extras.

Greve pega o carioca de surpresa

A Central do Brasil apresentou um movimento intenso de passageiros, assim como na estação de São Cristóvão. Em Senador Camará, rodoviários impediram e depredaram ônibus que tentavam sair da garagem da empresa Jabour.

Em Bonsucesso, na garagem da Real, piquete se misturava a rodoviários que chegavam para trabalhar. Os manifestantes grevistas fecharam a pista lateral da Avenida Brasil, na altura de Manguinhos, no sentido Centro e só liberaram por volta das 7h50. Devido à interdição parcial da pista na altura da Fiocruz, o trânsito apresentou reflexos até a altura de Cordovil

Passageiros enfrentam dia de caos para chegar ao trabalho. Mais de 50 ônibus foram depredados por conta da greve dos rodoviáriosFoto%3A Osvaldo Praddo

Por volta das 9h10 manifestante interditaram novamente a Avenida Brasil, desta vez, na altura de Parada de Lucas, no sentido Centro. Os motoristas também enfretaram complicações na Avenida Marechal Rondon, na altura do acesso para o túnel Noel Rosa. Os grevistas ocuparam uma faixa da via.

Em Vila Isabel, na Zona Norte da cidade, os pontos de ônibus estão superlotados, a reportagem do jornal O DIA observou a movimentação na Rua Teodoro da Silva, onde apenas três ônibus, vindos de Jacarepaguá para o Centro, passaram superlotados. Os motoristas não pararam para os passageiros.

Os ônibus da linha de integração do metrô, que saem da Praça Barão de Drumond, em direção à estação São Francisco Xavier, na Tijuca, não estão circulando. Os grevistas realizam piquete também no Boulevard 28 de Setembro e na Rua Teodoro da Silva, onde um ônibus da Viação Vila Isabel foi apedrejado quando tentava seguir viagem.

Passageiros enfrentam dia de caos para chegar ao trabalho. Mais de 50 ônibus foram depredados por conta da greve dos rodoviáriosFoto%3A Osvaldo Praddo

Morador de Vila Isabel, o militar Diego Borges desistiu de ir para o quartel onde trabalha, na Praia Vermelha, Zona Sul da cidade. "Estou sem dinheiro para o táxi e não passa ônibus. Corro o risco de ficar preso por ter faltado o serviço", disse ele.

Moradores relatam desespero da falta de ônibus e preço abusivo das vans

Seguidores de O DIA 24 Horas no Twitter (@odia24horas) relataram o drama que viveram nesta manhã. "Vans cobrando 10 reais de Manguariba até a Central por conta da greve dos rodoviários", disse um seguidor, que mora em Paciência, na Zona Oeste.

"Ônibus da Viação Redentor sendo depredado na Estrada do Gabinal", disse outro seguidor, que mora em Jacarepaguá, também na Zona Oeste. A empresa confirmou que 21 coletivos foram quebrados.

O leitor Rômulo Medina usou o trem para seguir viagem de Nilópolis, na Baixada Fluminense, para o Centro do Rio. "Pessoas não saem da Estação Central do Brasil, porque o terminal rodoviário em frente, próximo à Avenida Presidente Vargas, está lotado", relatou ele que encontrou dificuldades para chegar ao trabalho, na Zona Norte da cidade, na manhã desta quinta-feira.

Últimas de Rio De Janeiro