Motorista do ônibus do qual jovem foi arremessada admite culpa

Passageira sofreu traumatismo craniano e fraturou duas costelas

Por O Dia

Rio - Após a brusca frenagem que arremessou a auxiliar-administrativa Jessica Ferri, 24 anos, de um ônibus na Zona Oeste, o motorista do coletivo da Viação Vera Cruz, da linha 562 (Duque de Caxias X Pau Ferro), ao ver a jovem estirada no chão, admitiu a testemunhas ser o responsável pelo acidente, contou Renan Reis, 23 anos, primo da vítima. Internada em estado gravíssimo no Hospital Lourenço Jorge, Jessica foi lançada do ônibus, que circulava em alta velocidade, na Rua Cândido Benício, Praça Seca, na Zona Oeste do Rio.

Jéssica Ferri%2C 24 anos%2C está em estado gravíssimo após cair de um ônibus na Zona Oeste e sofrer traumatismo cranianoReprodução Facebook

"Ela estava a caminho da igreja. O motorista dirigia em alta velocidade na pista da esquerda e jogou de uma vez para a baia, que fica no lado direito. Quando o motorista jogou, outro ônibus estava saindo e ele teve que frear bruscamente. Ela (Jessica) não conseguiu segurar e foi arremessada para fora. Ela teve duas costelas quebradas, além de rim e pulmão perfurados. Inclusive, o pulmão dela estava cheio de sangue e os médicos tiveram que fazer uma drenagem", contou Renan.

De acordo com o primo, Jessica caiu com a face no chão, o que teria provocado o traumatismo craniano, confirmado pela Secretaria Municipal de Saúde nesta terça-feira. A família da jovem, apesar da estrutura e apoio oferecidos pelo hospital, enfatiza que a unidade de saúde não dispõe de neurologista 24h e faz um apelo à prefeitura para que um especialista permaneça no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) do Lourenço Jorge.

Outra reclamação dos familiares diz respeito às diligências realizadas pela Polícia Civil. Segundo o primo de Jessica, até a noite desta terça-feira, o marido da vítima, Maxwell Souza não foi chamado à delegacia para ser ouvido.

Também nesta terça-feira, mais de 100 pessoas foram autorizadas a permanecer no estacionamento da unidade de saúde municipal, perto do CTI, para fazer uma vigília em favor de Jessica.

"A gente crê que ela vai se recuperar 100%.O ambiente aqui é esse, de muita fé", contou Renan.

De acordo com a Polícia Civil, agentes da 28ª DP (Campinho) iniciaram as investigações do caso nesta terça-feira. A polícia informou que o motorista do ônibus e testemunhas que presenciaram a queda de Jéssica estão sendo chamados para prestar depoimentos. A delegacia aguarda a liberação médica da vítima para ser ouvida e as imagens do circuito interno do ônibus estão sendo solicitadas.

O DIA entrou em contato com a Viação Vera Cruz, mas foi informado por um funcionário que a empresa só se pronuciará sobre o caso nesta quarta-feira.

Últimas de Rio De Janeiro