Polícia prende chefe de quadrilha que sequestrou comerciante na Baixada

Ricardo Reinol, de 39 anos, e seus comparsas pediram na época R$ 8 milhões para libertar o refém

Por O Dia

Rio - Policiais da Divisão Antissequestro (DAS) prenderam, nesta segunda-feira, o chefe de uma quadrilha que sequestrou um comerciante em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, no final de janeiro deste ano. Com a prisão de Ricardo da Fonseca Reinol, de 39 anos, a polícia desmantelou o bando: os outros quatro integrantes já haviam sido capturados anteriormente. Reinol e seus comparsas pediram na época R$ 8 milhões para libertar o refém. 

Quadrilha de sequestradores (da esquerda para a direita)%3A Jorge Luiz%2C Guilherme%2C Carlos Frederico%2C Ricardo Reinol e CecíliaFernando Souza / Agência O Dia

Segundo os agentes, durante as investigações, que começaram em 29 de janeiro, também foram capturados Guilherme Nogueira da Gama Gomes, 29 anos, Jorge Luís de Aquino Baia, o 'Jorginho', 33, Carlos Frederico Perez Costa, conhecido como 'Fred', 42, e Cecília Moraes Fernandes, 36. Na negociação, a quadrilha chegou a pedir R$ 8 milhões para soltar a vítima, mas os agentes da DAS conseguiram interceptar o pagamento e prender três criminosos. 

"Este foi o primeiro sequestro do ano e esperamos que não ocorra outro. Chegamos aos acusasos através de escutas telefônicas e das primeiras prisões", relatou o delegado assistente da DAS, Eduardo Soares, que acrescentou: "Durante o período em que a vítima esteve em poder dos bandidos, ficou o tempo todo com os olhos vendados e os pulsos amarrados com fitas adesivas, mas disse não ter sofrido maus-tratos".

De acordo com a polícia, Ricardo já havia sido preso anteriormente pela especializada acusado pelo mesmo crime. Ele tem três anotações criminais, sendo uma por extorsão mediante sequestro, em 2000, e pela qual foi condenado a 15 anos de prisão. Reinol comandou, em 2000, o sequestro do empresário da Breda Turismo.

Ele já havia cumprido 9 anos e estava sob liberdade condicional. Ele também tem anotação pelos crimes de receptação e estelionato. 

Últimas de Rio De Janeiro