Avó de menina vítima de intolerância religiosa denuncia outros casos

Kailane Campos, de 11 anos, esteve nesta sexta-feira com o ministro da Secretaria de Direitos Humanos

Por O Dia

Rio - A menina Kailane Campos, de 11 anos, agredida com uma pedrada no último dia 14, na Vila da Penha, esteve nesta sexta-feira um encontro com o Ministro da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Pepe Vargas. Em companhia da avó, Kátia Marinho, elas afirmaram durante audiência pública na Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro, que o caso da garota candomblecista não foi isolado.

A menina candomblecista Kailane Campos esteve reunida nesta sexta-feira com o ministro da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República%2C Pepe VargasCarlos Moraes / Agência O Dia

"Daqui a pouco todos vão estar achando normal ser apedrejados. Ao invés de frear isso esses atos eles aumentaram, mas agora são violência física", contou Kátia Marinho.

A avó da menina solicitou que os agressores que ainda não foram identificados, sejam punidos como criminosos e não religiosos. Ela também pede que se investigue de onde vem partindo as demonstrações de ódio.

Leia mais:

Protesto contra intolerância religiosa une diferentes religiões na Zona Norte

Eduardo Paes pede desculpas a vítima de intolerância

Menina vítima de intolerância diz que não perdoa agressores

Kailane se manifestou apenas para pedir respeito. A menina entregou abaixo assinado com 35 mil assinaturas ao ministro para que seja criado o Plano Nacional de Combate a Intolerância Religiosa. "Peço respeito para que eu possa sair de branco. Que eu possa sair na rua sem levar outra pedrada, sem apanhar na rua", diz.

O ministro afirmou que a pasta tem conversado com diversos órgãos para combater a intolerância religiosa. E ele também cobrou que as instituições façam sua parte. "Não precisamos de um plano para que os órgãos exerçam o seu papel. Mas ainda precisamos de políticas", alegou Pepe Vargas.

O babalawo Ivanir dos Santos também fez cobrança ao ministro. De acordo com ele, em agosto será lançado um dossiê sobre intolerância religiosa em um audiência na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). E alegou que pode acionar o Brasil na Organização dos Estados Americanos (OEA) por não combater esses crimes.

Últimas de Rio De Janeiro