Coleta de lixo está irregular em Mesquita

Sujeira tomou conta das ruas. Prefeitura diz que foi devido a quebra de dois caminhões

Por O Dia

Lixos transbordando pelas caçambas, espalhados pelas ruas e acumulados aos montes na frente das casas. Além disso, proliferação de ratos e baratas. Sem coleta regular há alguns meses, este é o triste cenário em boa parte das ruas de Mesquita. Segundo os moradores, a situação piorou desde que a empresa Inova Ambiental, responsável pela a coleta na cidade, paralisou os serviços, no início da semana passada por falta de pagamento. A prefeitura afirma, no entanto, que os serviços não foram paralisados e que o acúmulo do lixo aconteceu devido a quebra de dois caminhões, mas que o problema já foi resolvido.

Eduardo Viana mostra o lixo acumulado na porta de casa%2C na Rua MarteDivulgação

No último domingo, a Rua Lídia, na Chatuba, e vias dos bairros Vila Emil, Cosmorama e Edson Passos ficaram tomadas por sacos de lixo. Após denúncias pelas redes sociais, a prefeitura recolheu o montante. Morador da Rua Marte, no Centro, o design gráfico Eduardo Viana, de 33 anos, afirmou que a coleta de lixo está irregular no município já há algum tempo. Segundo ele, o serviço era feito três vezes por semana, mas de três meses para cá os caminhões passam pelo local somente às terças-feiras.

“Ratos e baratas estão surgindo para todos os lados, além do mau cheiro. Se não dão conta de um serviço básico, imagine do resto”, questionou Viana.

Em Santo Elias, a coleta está sendo feita somente nas ruas principais e uma vez por semana. É o que afirma a moradora da Rua Macário, a costureira Renata França, de 33 anos. “Os caminhões de lixo passam pela ruas Nestor, Josefina e Cesário, que são as principais. Já nas ruas transversais, como a minha, não estão coletando”, afirma.

Por nota, a Prefeitura de Mesquita informou que não houve paralisação dos serviços de coleta de lixo. Segundo o órgão, “dois caminhões de coleta quebraram, ocasionando problemas de atendimento em algumas rotas e o consequente acúmulo de lixo”. A prefeitura afirmou que “os veículos já estão funcionando e atuando com especial atenção nos pontos críticos desde o início da semana e que em poucos dias o serviço será normalizado”.

O contrato da coleta de lixo foi assinado em janeiro de 2013 pelo prefeito Gelsinho Guerreiro no valor de R$ 1.250.448,11 por mês. Procurada pelo O DiA, a empresa Inova Ambiental não retornou às ligações, nem respondeu aos e-mails até o fechamento desta edição.

Últimas de _legado_O Dia na Baixada