Fernando Scarpa: Tem 'boi piranha' na linha

Jogado no rio, consegue-se atravessá-lo com o resto do rebanho ileso

Por O Dia

Rio - Tragédias acabam roubando qualquer cena. Elas desviam a atenção de situações desagradáveis da política do país, salvando a pele de alguma personalidade metida em encrenca braba. Já ouviu falar em ‘boi de piranha’? Jogado no rio, consegue-se atravessá-lo com o resto do rebanho ileso.

Isso me remete a setembro de 1987, quando o barco Solana Star chegava ao Rio de Janeiro, vindo da Austrália, com 22 toneladas de maconha, para ser dividida entre duas embarcações com destino a Miami.

A tripulação, desconfiada que a PF sabia da operação, decidiu desovar a carga no mar, transformando o fim daquele ano no ‘Verão da Lata’. O país, para variar, estava em transição, entre o fim da ‘dita dura’ e a abertura para a democracia plena. Na época, surgiram muitas versões, entre elas a de que tudo não passava de estratégia, ‘boi de piranha’, para a passagem de outro barco com carga mais valorosa, de pó, que ‘brilhava’ naqueles anos.

Passadas três décadas, continuamos em transição, saídos do impeachment, agora em governo provisório, com delações premiadas ameaçando cabeças históricas, estados falidos e... somos surpreendidos pelo massacre no presídio de Manaus! Imediatamente, as atenções são furtadas: tem ‘boi de piranha’ na linha?

Como se não bastasse, morreu Mário Soares, e o avião presidencial levantou voo com o ministro do STF e juiz do TSE, a convite do réu Temer, que será julgado pelo passageiro convidado: ao que tudo indica, ele deve ser campeão na imunidade, para se misturar ao réu na travessia do Atlântico e depois pronunciar sentença. Juiz Gilmar, contudo, sucumbiu a uma ‘labirintite’.

No Rio, ‘Pezão frio’ tenta cobrir o rombo que ele ajudou a fazer com Cabral, tirando milhões de reais do estado e do bolso dos funcionários públicos que, sem grana, morrem à míngua, massacrados pelo mau uso do dinheiro. É morte para todo lado: é na porta do hospital, por falta de verba; é na rua, por falta de segurança; e onde mais você não imaginar, tem! As injustiças seguem seu curso no país das maracutaias. Só falta mesmo Renan Calheiros assumir o Ministério da Justiça, sem ‘boi de piranha’, até porque ninguém representa melhor o que é a Justiça brasileira do que ele. Não há truque que dê conta de encobrir tanta loucura!

?Fernando Scarpa é psicanalista

Últimas de Opinião