Bombeiros protestam em defesa de cabo Cruz, que iria até Niterói a pé

Após não receber salário, militar do Corpo de Bombeiros decidiu ir até Charitas andando para fazer um curso obrigatório

Por O Dia

Rio - Pelo menos 150 bombeiros de vários quartéis realizaram um protesto, na manhã deste sábado, da porta do Quartel da Ilha do Governador até a Ilha do Fundão, em defesa ao cabo Altair Cruz. Na última quinta-feira, Altair Cruz, decidiu ir caminhando de sua casa, na Ilha, para um curso da corporação, em Niterói.

Vereador entra com pedido de habeas corpus para impedir prisão de bombeiro

Sem dinheiro da passagem, bombeiro tenta ir caminhando da Ilha até Niterói

Idosa deixa carta e dinheiro para bombeiro que foi trabalhar a pé

Segundo o militar, ele tomou essa decisão após não ter dinheiro para pagar a passagem. Na ocasião, ele acabou sendo resgatado, no meio do caminho, após andar 21 quilômetros, por uma viatura dos bombeiros.

Bombeiros reclamam de atrasos no salários e prestam solidariedade ao colega que pretendua ir até Niterói a pé para fazer um curso obrigatórioJoão Laet / Agência O Dia

No protesto deste sábado os agentes exigem que o Governo do Estado regularize o pagamento dos salários que estão atrasados. Participa da manifestação o irmão do cabo Altair, Igor Cruz, que representa a família. "O meu irmão ficou muito feliz com a demonstração de solidariedade (dos colegas). A intensão dele não foi afrontar o comando. Ele só quis cumprir a sua obrigação (de fazer o curso em Niterói)" disse. Ainda de acordo com Igor, seu irmão jamais imaginou que a sua decisão tomaria tamanha proporção.

Um dos representantes do protesto, o vereador Marcio Garcia, afirmou que os bombeiros faz a manifestação para apoiar a decisão do agente e chamar a atenção da população e alertar dos problemas que a corporação vem enfrentando.

Bombeiros reclamam de atrasos no salários e prestam solidariedade ao colega que pretendua ir até Niterói a pé para fazer um curso obrigatórioJoão Laet / Agência O Dia

A Associação dos Bombeiros do Rio apoia o ato e representantes estão presentes na caminhada. Os bombeiros recebem apenas R$ 100 de auxílio-transporte por mês. Segundo a corporação o valor não é reajustado desde 2011.

Vereador pede habeas corpus para impedir prisão de bombeiro

Temendo represálias por parte do comando do Corpo de Bombeiros, o vereador Marcio Garcia (Rede) impetrou junto ao Tribunal de Justiça do Rio um pedido de Habeas Corpus preventivo em favor do cabo dos bombeiros, Altamir Cruz, de 31 anos. O HC preventivo é para impedir a prisão do agente. 

No último dia 7, o cabo que mora na Ilha do Governador, e sem condições de pagar a passagem, por conta da crise do Governo do Estado que está devendo o funcionalismo público, decidiu ir a pé até o quartel de Charitas, em Niterói, um caminho de 32 km, para participar de um curso.

Como o DIA mostrou, na quarta-feira, o bombeiro que atua como técnico em enfermagem já havia dito ao seu comando que não tinha dinheiro para a passagem de ônibus. Escutou que se não fosse ao treinamento seria punido. Sua esposa e filha de 4 anos dependem da sua renda como militar. Para evitar a prisão acatou a ordem, seguindo a pé. Ele chegou a caminhar por 21 km, mas na entrada da Ponte Rio-Niterói, foi levado por uma viatura dos bombeiros até o quartel.

Segundo o documento conseguido com exclusividade pelo DIA, o vereador afirma que o cabo "até a presente data não recebeu o seu auxílio-transporte no valor de R$ 100,00 (cem reais), nem tampouco os seus vencimentos referentes ao mês de março". Ainda de acordo com o pedido de Habeas Corpus, o bombeiro só tomou essa decisão "desesperada" por falta de auxílio da passagem.

Informações obtidas pelo DIA apontam que o 1º Grupamento de Socorro e Emergência do Corpo de Bombeiros teria pedido a abertura de um procedimento disciplinar para apurar a conduta do cabo Altamir Cruz.

Na quinta-feira, dia em que o cabo decidiu ir da Ilha à Niterói, a assessoria de imprensa dos bombeiros disse que a corporação não entendeu como protesto a atitude do cabo Cruz e que ele não seria punido.

Em nota o Corpo de Bombeiros afirmou que ainda não foi comunicado oficialmente sobre o habeas corpus preventivo em favor do cabo Altamir Cruz. Ainda de acordo com o comunicado, a corporação não abriu procedimento disciplinar para apurar a conduta do agente. Por fim, o órgão reafirma que ele não foi punido pelo seu ato. No entanto, o Corpo de Bombeiros não informou se o militar sofrerá algum tipo de sansão futuramente.

Confira o pedido de habeas corpus preventivo aqui


Últimas de Rio De Janeiro