Saúde libera R$ 4,8 milhões para testes rápidos de gravidez

Objetivo é diagnosticar com antecedência possíveis casos de microcefalia associados ao vírus Zika

Por O Dia

Rio - O Ministério da Saúde liberou R$ 4,8 milhões para financiar o teste rápido de gravidez nas mulheres atendidas pela Rede Cegonha, do Sistema Único de Saúde (SUS). A ação tem como objetivo facilitar o diagnóstico precoce, onde pode detectar ou descartar a presença do vírus Zika, provocado pelo mosquito Aedes aegypti, e responsável pelos recentes casos de microcefalia no país.

O diagnóstico precoce nos casos de microcefalia fará com que os profissionais de saúde ajudem as gestantes e a criançaReprodução Internet

"O teste pode ser realizado dentro ou fora da unidade de saúde e, caso a pessoa deseje, um profissional poderá ajudar. O objetivo é respeitar o direito de autonomia e sigilo da mulher, além de fornecer a ela todas as orientações e apoio necessários antes e depois do teste", diz a coordenadora-geral de Saúde da Mulher do Ministério da Saúde, Maria Esther Vilela.

Em casos de microcefalia, os profissionais de saúde poderão ajudar as gestantes e a criança com o diagnóstico precoce. "Iniciar o pré-natal no primeiro trimestre da gestação, de preferência até a 12ª semana, é fundamental para identificar os fatores de risco para favorecer as ações e intervenções adequadas que evitam complicações e protegem a saúde da mulher e da criança neste momento", afirma o Secretário de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, Alberto Beltrame.

A Rede Cegonha foi criada em 2011 para auxiliar a mulher e o bebê durante a gestação, parto, pós-parto e o desenvolvimento da criança até os dois primeiros anos de vida. Mais de 2,6 milhões de gestantes são atendidas em 5.509 municípios brasileiros.

Últimas de Rio De Janeiro