Tiroteios na Vila Cruzeiro deixam um ferido e chefe da favela do Lixão é preso

Bandido da Baixada estava escondido na favela do Complexo da Penha. Creches ficaram fechadas por conta dos tiros

Por O Dia

Rio - Dois tiroteios ocorreram na manhã desta quinta-feira na Vila Cruzeiro, no Complexo da Penha, na Zona Norte, vizinho ao Complexo do Alemão. Em uma das ações, Vitor França Pedro, de 23 anos, conhecido como Geléia, foi preso. Ele é apontado como um dos chefes do tráfico na Favela do Lixão, em Caxias, na Baixada Fluminense. Um homem também foi baleado em uma troca de tiros.

Por volta das 8h, na localidade conhecida como Ferro Velho, policiais que faziam patrulhamento foram surpreendidos por traficantes que atiraram. Um homem ficou ferido e foi socorrido ao Hospital Getúlio Vargas, na Penha. Não se sabe se o baleado trocava tiros com os PMs ou se tem envolvimento com o tráfico. Um rádio-transmissor e uma granada foram apreendidas. O caso foi registrado na 22ª DP (Penha).

Duas horas depois, com base em informações recebidas através do Disque Denúncia, o setor de Inteligência da UPP da Vila Cruzeiro prendeu Geléia, na localidade conhecida como Rua 4. Ele foi encaminhado à Cidade da Polícia, no Jacaré, e é apontado como um dos líderes do tráfico na Favela do Lixão, em Duque de Caxias.

O clima tenso na Vila Cruzeiro nesta manhã fez duas creches não abrirem, deixando 95 alunos sem aulas.

Medo também  no Alemão

Depois de Orelha, chefe do tráfico nas favelas Nova Brasília e Fazendinha, no Complexo do Alemão, ser baleado e estar internado em estado grave, escolas da rede municipal na região não funcionaram na manhã desta quinta-feira. Ao todo são 11 unidades fechadas e mais de 3 mil alunos sem aulas.

No Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, o policiamento está reforçado desde a madrugada desta quinta-feira. Havia uma recompensa de R$ 20 mil por sua captura. Orelha pertence a mesma facção de Fat Family, resgatado do Souza Aguiar por comparsas no fim de semana.

LEIA MAIS: Após traficante ser baleado, 3 mil alunos ficam sem aula no Alemão

Policiais reforçam a segurança na porta do hospital Getúlio VargasSeverino Silva / Agência O Dia


Últimas de Rio De Janeiro