Site de pastor acusado de pedofilia pela esposa é retirado do ar

Felipe Heiderich está preso em uma cela isolada em Bangu 10. Advogado disse que 'acusações são inteiramente falsas'

Por O Dia

Pastor Felipe Heiderich está preso suspeito de abusar sexualmente de seu enteado. Esposa fez acusaçãoReprodução Facebook

Rio - O site do pastor Felipe Heiderich, preso temporariamente pelo crime de pedofilia, está retirada do ar. Ele foi acusado pela esposa, a também pastora Bianca Toledo, de ter abusado do enteado de 5 anos, e está preso em uma cela isolada em Bangu 10.

Nas páginas no Facebook oficiais do pastor, o seu advogado escreveu que "as acusações formuladas contra Felipe são inteiramente falsas e que a polícia saberá investigar para ao final esclarecer a verdade."  Nesta quarta-feira, a Justiça do Rio negou o pedido de habeas corpus que solicitava a liberdade do pastor Felipe Heiderich.

Jovem, bem sucedido e guia espiritual de milhares de cristãos: até esta quarta, esse era o perfil do pastor, ministro da Aliança Mundial de Evangelização e Ensino (AME), com sede no Rio de Janeiro.

Era até o senador e pastor Magno Malta (PR-ES) ocupar a tribuna do Senado e tornar pública a face oculta de Felipe Heiderich, que está preso temporariamente por 30 dias, suspeito de estupro de vulnerável. A suposta vítima seria o seu próprio enteado, um menino de 5 anos, filho da atual esposa e parceira do pastor na liderança da AME, a pastora Bianca Toledo.

LEIA MAIS

Justiça nega pedido de habeas corpus de pastor suspeito de abuso sexual

Pastora anuncia separação na web: 'Pedófilo e homossexual'

“O fato é que a pastora Bianca Toledo, casada com o senhor Felipe Heiderich, descobriu que esse falso pastor estava abusando de seu filhinho”, bradou o senador, que presidiu a CPI da Pedofilia. A revelação do político não era segredo para a Polícia do Rio. Às 15h44m de 23 de junho, a pastora Bianca procurou a Delegacia de Atendimento à Criança e Adolescente Vítima (Dcav) para denunciar o marido por abuso sexual contra a criança. Laudos e entrevistas com psicólogas confirmaram a denúncia, de acordo com o inquérito.

Últimas de Rio De Janeiro