Polícia poderá usar armas de alto poder de fogo apreendidas com bandidos

Decreto, anunciado pelo Ministro da Justiça, Alexandre Moraes, impede a destruição das armas pelo Exército. Outra resolução facilita a compra de armas pelas polícias estaduais

Por O Dia

Rio - O ministro da Justiça, Alexandre Moraes, anunciou nesta terça-feira ter redigido dois decretos para ajudar as polícias estaduais no combate ao crime organizado. O primeiro autoriza o uso, por policiais, de armas de alto poder de fogo apreendidas com bandidos. O decreto suspende o envio dessas armas para o Exército destruí-las. O anúncio foi feito durante coletiva sobre a operação para prender criminosos que atacaram policiais da Força Nacional de Segurança e mataram um soldado.

"Conversei com os chefes militares e eles concordaram com a ideia. As armas não precisarão mais ser destruídas, elas poderão ser usadas por policiais. O decreto será assinado até o fim do mês e já entrará em vigor" afirmou o ministro.

LEIA MAIS: Ação para prender assassinos de soldado tem três mortos

Ministro Alexandre Moraes anunciou decretos que ajudam polícias estaduais no combate ao crimeJohnson Parraguez / Parceiro / Agência O DIA

O segundo decreto será para facilitar a compra de armas pelas polícias. Moraes, quando foi secretário de Segurança Pública de São Paulo, disse que a burocracia dificultava a aquisição de armas. "Tivemos de esperar nove meses para comprar 740 fuzis. As polícias necessitam de armamento sofisticado para combater o tráfico de armas e de entorpecentes" revelou o ministro.

Alexandre Moraes disse ainda ter solicitado uma reunião com a Polícia Civil do Rio. Ele quer que o Ministério dê apoio logístico, financeiro e operacional aos agentes. "Criaremos cinco núcleos permanentes de inteligência e operação para combater traficantes de armas e de drogas. Estes núcleos serão instalados no Paraná, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul porque estes estados fazem fronteira com Bolívia e Paraguai (países que têm tráfico de drogas e armas). E no Rio e em São Paulo porque são os principais estados consumidores de drogas e entrada de armas pesadas".

GALERIA: Polícia Civil caça assassinos de soldado da Força Nacional

Polícia Civil realizou operação na Vila do João%2C na Maré%2C para prender traficantes que atiraram e mataram soldado da Força Nacional de SegurançaJohnson Parraguez / Parceiro / Agência O DIA

Ação para prender assassinos de soldado tem três mortos

?A operação da Polícia Civil na comunidade da Vila do João, no Complexo da Maré, na Zona Norte, teve três suspeitos mortos e três presos — um deles baleado, na manhã desta terça-feira. A ação tem o objetivo de prender dois suspeitos de assassinar o soldado da Força Nacional de Segurança Pública (FNSP) Hélio Andrade, na última quarta-feira.

Polícia Civil realizou operação na Vila do João%2C na Maré%2C para prender traficantes que atiraram e mataram soldado da Força Nacional de SegurançaJohnson Parraguez / Parceiro / Agência O DIA

Os mortos pela polícia estavam a poucos metros de onde a equipe da FNSP foram atacados. Com os mortos foram apreendidas três pistolas calibre 9mm e elas serão periciadas para descobrir se foram usadas no crime contra o soldado da Força Nacional. Fragmentos de bala de uma arma de baixa energia foram encontrados na cabeça do policial Hélio Andrade e ajudarão no exame de balística. 

Os criminosos procurados foram identificados como Thiago da Silva Folly, o TH, de 27 anos, e Alexandre Ramos do Nascimento, o Pescado, de 28 anos, e tiveram a prisão preventiva decretada pela Justiça. O Disque-Denúncia já oferecia recompensa de R$ 2 mil por informações que levem às prisões deles. A operação conta com 145 agentes da Delegacia de Homicídios (DH-Capital) e com o apoio da Divisão de Homicídios, da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), da Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG) e da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), além de dois blindados.

Armas%2C drogas e munições foram apreendidas durante operação da Polícia Civil na Vila do João%2C no Complexo da MaréMarlos Bittencourt / Agência O Dia

Pescador foi identificado pelos policiais da FN que sobreviveram ao ataque. Segundo eles, o traficante fez um gesto com a mão passando pela garganta, indicando que eles iam morrer. TH é chefe do tráfico que atua na Vila do João.

Após o ataque aos policiais da Força Nacional, TH fugiu da Vila do João para o Morro do Dendê, que pertence a mesma facção. Entretanto, o chefe da comunidade da Ilha do Governador,  Morro do Dende, Fernando Gomes de Freitas, o Fernandinho Guarabu, o expulsou de lá temendo ações da polícia e ele retornou para a Maré.

Suspeitos de matar o soldado da Força Nacional%2C Thiago da Silva Folly%2C o TH%2C de 27 anos%2C e Alexandre Ramos do Nascimento%2C o Pescado%2C de 28 ano%2C são procuradosDivulgação


Últimas de Rio De Janeiro