Médica é baleada no Complexo da Maré

Klayne Moura Teixeira de Souza foi levada à comunidade pelo aplicativo Waze. Ela foi ferida no braço e está internada no Hospital Miguel Couto

Por O Dia

Klayne Moura Teixeira de Souza Reprodução Internet

Rio - A médica Klayne Moura Teixeira de Souza foi baleada, na manhã desta quarta-feira, ao entrar por engano na favela Nova Holanda, no Complexo da Maré, na Zona Norte do Rio. Klayne é do Ceará e estaria no Rio para participar de um evento profissional.

De acordo com o delegado Wellington Vieira, titular da 21ªDP (Bonsucesso), a cearense teria entrado na comunidade guiada pelo aplicativo "Waze" e teria visto traficantes com armas. Ao acelerar, a jovem foi ferida no braço e o carro em que ela estava atingido por diversos disparos. 

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, a médica levou um tiro no braço e está internada no Hospital Municipal Miguel Couto, no Leblon, na Zona Sul. O estado de saúde da jovem é estável.

Na ocasião, Klayne foi encaminhada, pela proximidade, para a sede da Associação Luta pela Paz. Segundo a ONG, a equipe, utilizando veículo próprio, removeu a médica e, a caminho do hospital, entrou em contato com os bombeiros. 

Procurada pelo DIA?, a Polícia Militar informou que não foi acionada para a ocorrência e não foi realizada nenhuma operação na região. 

Vítimas fatais ao entrar por engano

Em fevereiro, a turista Natália Cappetti foi baleada ao entrar por engano no Morro dos Prazeres, na Zona Central do Rio. A argentina e o marido foram alvo de ao menos seis tiros disparados por bandidos. Ela foi atingida nas costas. A mulher chegou a ser internada, mas não restistiu aos ferimentos e morreu em março.

Episódio semelhante já havia acontecido no mesmo local em dezembro do ano passado. O italiano Roberto Bardella foi assassinado ao entrar por acaso na comunidade.


 

Últimas de Rio De Janeiro