Polícia investiga se corpo encontrado em Campo Grande é de alemão morto

Na noite desta segunda, dois suspeitos de matar a vítima foram presos na Avenida Salvador Allende, no Recreio

Por O Dia

Rio - A Delegacia de Homicídios da Capital (DH) investiga se um corpo encontrado em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, na tarde desta terça-feira, é de um alemão morto. De acordo com a Polícia Civil, as características são parecidas com as de Christoph Josef, mas o corpo ainda será periciado no Instituto Médico Legal (IML). Dependendo do estado dele, será preciso fazer um exame de DNA.

Alemão foi morto nesta segunda-feiraDivulgação

A Polícia Civil ainda não confirmou se o corpo encontrado é do alemão, mas já sabe que a vítima encontrada está com cinto e sapatos de marcas alemãs. O corpo tem marcas de tiros na região toráxica, na cabeça e nas mãos.

Christoph estava no Brasil desde novembro do ano passado. No último dia 14 ele foi para o Peru, de onde saiu dia 18, e chegou ao Rio no dia 19. Dia 20 ele completou 36 anos.

Corpo de alemão foi encontrado dentro de carro em Campo GrandeDivulgação

?Suspeitos presos

No fim da noite desta segunda-feira, dois suspeitos foram presos na Avenida Salvador Allende, no Recreio dos Bandeirantes, também na Zona Oeste. Luiz Fernando Pereira Garcia Junior chegou a apresentar uma carteira da Comissão Nacional de Defesa de Direitos Humanos e Cidadania.

Suspeito de matar alemão apresentou uma carteira de defensorDivulgação

No veículo onde a dupla estava, os policiais encontraram uma certa quantidade de sangue no banco traseiro e um pano, que também estava manchado de sangue. Durante a abordagem, os PMs apreenderam um passaporte alemão e um cartão de crédito, também com marcas de sangue, de Christoph. Os policiais encontraram ainda seis cápsulas de calibre 38, além da quantia de R$ 4,4 mil em espécie e um taco de baseball na lateral do carro.

Luiz Fernando acabou confessando o crime e, segundo a polícia, disse que deixou o corpo da vítima em um córrego perto da Avenida Brasil, em Santa Cruz. 


Últimas de Rio De Janeiro