Crivella e Dornelles cobram do Governo Federal medidas para conter violência

Prefeito do Rio e governador em exercício se reuniram nesta terça-feira para discutir crise na segurança pública que assola a cidade e o estado

Por O Dia

Rio - O prefeitod o Rio, Marcelo Crivella, e o governador em exercício, Francisco Dornelles, decidiram unir esforços para cobrar do governo federal o cumprimento imediato de medidas de enfrentamento à onda de violência que atinge a cidade. Crivella e Dornelles se reuniram nesta terça-feira no Palácio Guanabara, em Laranjeiras, na Zona Sul do Rio, onde firmaram o compromisso de união das duas esferas de poder, diante da atual crise na segurança pública.

Prefeito do Rio e governador em exercício se reuniram para discutir crise na segurança pública Divulgação

"Nós somos hoje o epicentro de uma violência anômica no Brasil. Eu e o governador  já estivemos em Brasília e, naquela ocasião, nos foram prometidas medidas importantíssimas para a segurança. Então, o estado e a capital estão juntos e unidos fazendo um apelo veemente para que aquilo que nos foi prometido seja cumprido", afirmou Crivella.

O prefeito listou compromissos assumidos pelo governo federal, entre eles o envio de 300 homens da Polícia Rodoviária Federal para vigiar as estradas fluminenses, a ação das Forças Armadas nos portos e a fiscalização da Polícia Federal nos aeroportos.

Crivella lembrou ainda que também houve a promessa de recursos para que o governo estadual e a Prefeitura possam remunerar, respectivamente, policiais e guardas municipais que trabalhem em seus horários de folga. Segundo o prefeito, essa verba pode ser usada para ampliar as parcerias da Prefeitura com a iniciativa privada e citou o programa Segurança Presente, que reduziu os índices de criminalidade em regiões como o Centro, o Aterro e a Lapa. Ainda de acordo com Crivella, é necessário criar o “Pavuna Presente”, região com grande índice de roubos de carga.

Já Dornelles afirmou que o entrosamento entre o governo estadual e a Prefeitura é “amplo, geral e irrestrito”. 


Últimas de Rio De Janeiro