Cariocas recorrem mais aos serviços de entrega em domicílio

Empresas entregam desde cola para dentaduras a cigarros por telefone

Por O Dia

Rio - Um negócio simples está crescendo no Rio de Janeiro: o serviço de tele-entregas. O receio dos cariocas de sair de casa por causa da violência, principalmente à noite, está mudando hábitos das famílias e colaborando para movimentar o setor. Levantamento do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) mostra que a quantidade de estabelecimentos especializados no fornecimento rápido de produtos já vinham registrando aumento nos últimos anos. Passou de 1.332 unidades em 2007 para 2.348 em 2015. Um salto de 76,28%. Hoje, entrega-se de tudo em domicílio. Desde cola para dentaduras e preservativos a festas inteiras, para 70 pessoas.

Henrique Macêdo abriu o Salvei Delivery Noturno há pouco mais de um mês%2C com investimento de R%24 15 milAlexandre Brum / Agência O Dia

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) estima que pedidos de produtos por telefones, aplicativos de celular e internet, seja por comodidade, segurança ou falta de tempo, aumentaram quase 40% ano no país, movimentando em torno de R$ 9 bilhões por ano.

TEM ATÉ DELIBERY DE BEBIDAS

De olho nesse filão, o estudante de Educação Física Henrique Macêdo, de 19 anos, decidiu abrir, com mais dois sócios, há pouco mais de um mês, a Salvei Delivery Noturno, no Grajaú, na Zona Norte. “Está sendo surpreendente. Já fizemos umas 400 entregas”, diz Henrique, que disponibiliza 33 tipos de alimentos, bebidas e cigarros, entregues por três motoboys num raio de até cinco quilômetros. “Trabalhamos com a Agência 49/10, responsável pelo marketing digital e gerenciamento das redes sociais do Salvei”, diz.

Alô Madruga tem 30 funcionários em lojas na Barra%2C Recreio e IpanemaDivulgação

O empresário Rodrigo Lima, de 21 anos, já é freguês de Henrique. “É sensacional. Não me preocupo mais com balas perdidas nas ruas, com estacionamento, com Lei Seca. E o sistema delivery ainda nos incentiva a promover festas em casa. Temos feito rodízios”, comenta Rodrigo.

Leon Schaefer, 25 anos, colhe frutos da ousadia de ter montado um disque-entregas quando tinha apenas 17 anos. “Na época, cheguei a parar com os estudos. Abri um pequeno delivery. Minha família achou que eu estivesse maluco”, conta, às gargalhadas Leon, o hoje bem-sucedido dono da marca Alô Madruga. Sua empresa já conta com 30 funcionários em três lojas, nos bairros da Barra da Tijuca, Recreio e Ipanema.

O empresário Rodrigo Lima%2C de 21 anos%2C com os amigos%2C Matheus Lopes%2C 22%2C e Daniel sabioni%2C 24%3A Rodízio de festas em residênciasDivulgação

“Temos de tudo para 25 bairros. São 600 itens diferentes. Se não tiver, a gente arruma. Esses dias atendemos pedido até de fralda geriátrica. Já entregamos comida congelada, junto com lubrificante íntimo e pílula do dia seguinte, num mesmo pedido”, revela Leon, que decidiu agora abrir franquias, cujos valores podem variar de R$ 200 mil a R$ 400 mil. 

Kits de festas para crianças com até 70 convidados pode ser pedido por telefone

Outro caso de sucesso de tele-entregas no Rio, é o Disk-Salgadinhos, em Cosmos, na Zona Oeste. O empresário José Marcos Albuquerque, 45 anos, lembra que começou a vender a iguaria feita à mão, nos fundos de casa, na década passada, seguindo receitas da esposa Simone, 41. Aos poucos, começou a atender pedidos por telefone e hoje tem estrutura capaz de entregar kits festas, de crianças e adultos, para até 70 pessoas.

Disk-Salgadinhos%2C em Cosmos%2C faz entregas para 50 empresasDivulgação

“Atualmente, eu e mais 20 colaboradores fazemos entregas para 50 empresas, com mais de 100 tipos de salgados congelados, fritos e assados”, destaca José Marcos, revelando o segredo de seu êxito. “Trabalho, pontualidade e qualidade”, diz. “Não tem coisa mais prática do que encomendar uma festa, sem se preocupar com nada”, diz a advogada Margarida Pivanieli, 48 anos, que comprou uma festa de aniversário para o filho, Luan, 15.

A Abrasel calcula que só a rede de delivery de comida online PedidosJá, uma das maiores do ramo do mundo, atingindo 3,5 milhões de brasileiros, registrou crescimento de 37% no número de solicitações no Rio de Janeiro em apenas oito meses no ano passado.

O Sebrae, através de seu portal (www.sebrae.com.br), dá o passo a passo para quem quer abrir um tele entregas de qualquer coisa. De gelo a escova de dente, baralho, remédios, pen drives, flores, roupas ou artigos de sexy shop.

Últimas de Rio De Janeiro