Polícia pede prisão de suspeitos de torturar adolescentes na Rocinha

Jovens foram espancados por integrantes da quadrilha de Nem na quinta

Por O Dia

Rio - A Polícia Civil pediu a prisão temporária, neste sábado, de sete suspeitos de torturar dois adolescentes na Rocinha, Zona Sul do Rio. Os jovens foram sequestrados e torturados por integrantes da quadrilha de Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, por quase uma hora, na quinta-feira. Eles foram socorridos por Fuzileiros Navais.

Entre os suspeitos está Carlos Alexandre Camelo da Silva, de 19 anos, que foi esfaqueado pelo pai de uma das vítimas torturadas. Os outros integrantes do grupo são Jefferson Lopes Farias, 27, Carlos Augusto Rodrigues Barreto, 38, Washington de Jesus Andrade Paz, 25, Vitor dos Santos Lima, 22, Lohan de Andrade Lima, 19, e Neide Aparecida da Costa, 42.

Tropas das Forças Armadas deixaram a Rocinha nesta sexta-feira%2C após uma semana na comunidade da Zona SulEstefan Radovicz / Agência O DIA

Na ocasião em que foi torturado, um dos adolescentes usava um boné com a inscrição 'Jesus é dono desse lugar'. A frase faz alusão à quadrilha do Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, que aparece em fotos utilizando um cordão de ouro com a mesma frase. Ele é rival de Nem da Rocinha.

Rio tem 117 presos em dois meses após chegada das Forças Armadas

O reforço das Forças Armadas no policiamento do Rio resultou em 117 presos em dois meses. O levantamento foi divulgado pela Secretaria de Estado de Segurança nesta sexta-feira. Segundo os dados, os militares apreenderam 26 fuzis, 19 pistolas, 2,2 toneladas de maconha, 14kg de cocaína, 75 carros roubados, 3.622 munições e 19 granadas

Neste período, sete bandidos foram mortos. Além disso, seis menores foram detidos e houve ainda a apreensão de 122 carregadores de fuzil e 13 de pistola, dois revólveres, 165 pedras de crack, 1.497 sacolés e 360 pinos de drogas, 1,5kg de haxixe, dez bombas de fabricação caseira, uma espingarda, cinco simulacros de fuzil e dois de pistola.

Já na Rocinha, onde as Forças Armadas ficaram uma semana, 81 criminosos foram identificados, 54 mandados de prisão foram expedidos e outros 11 cumpridos.No entanto, o governo não divulgou o valor gasto durante esses dois meses.

Últimas de Rio De Janeiro