Procurador condenado por falsificação de documento ainda recebe salário

Elio Gitelman Fischberg tem assento como titular na 3ª Procuradoria de Justiça junto à 3ª Câmara Cível, mas não ocupa a cadeira porque foi afastado da função

Por O Dia

Rio - Mesmo condenado por falsificação de documento em 2012, o procurador de Justiça Elio Gitelman Fischberg não deixa de receber seu pomposo salário de R$ 37.476,93. O valor referente ao mês de março consta no site do Ministério Público do estado. Ele ainda tem assento como titular na 3ª Procuradoria de Justiça junto à 3ª Câmara Cível, do Tribunal de Justiça, mas não ocupa a cadeira porque foi afastado da função.

Ou seja, recebe sem trabalhar. Só para lembrar, em 2012, Fischberg foi condenado na Justiça por falsificação de documento público a três anos e sete meses de reclusão em regime aberto. A pena foi substituída por prestação de serviços à comunidade e pelo pagamento de R$ 244 mil ao Instituto Nacional do Câncer (Inca). Ele foi acusado de forjar arquivamento de inquéritos contra Eduardo Cunha. A manobra livrou o ex-deputado federal de ser investigado pelo Tribunal de Contas do Estado por irregularidades na Companhia Estadual de Habitação do Estado, que ele presidiu entre 1999 e 2000.

O MP alega que Fischberg recebe o salário porque não houve a decretação da perda do cargo. Isso porque o processo criminal não transitou em julgado, o que significa que há recurso. Mas ainda não explicou que fim levou o processo administrativo disciplinar que pode decretar a perda da função.