Balanço do Ministério da Saúde aponta 1.003 mortes por H1N1

No Rio, 44 pessoas foram vítimas do vírus

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - Boletim epidemiológico divulgado ontem pelo Ministério da Saúde constata que 1.003 pessoas morreram por causa do vírus H1N1 desde o início do ano até o dia 11 de junho. Em uma semana, foram registradas 117 novas mortes pelo vírus. É o maior número de mortes por H1N1 no país desde a pandemia de 2009, que matou 2.060 brasileiros.

São Paulo é o estado com o maior número de vítimas: 434, o que corresponde a 42,7% do total no país. Em seguida, está o Rio Grande do Sul, com 119 mortos. O Rio de Janeiro aparece na sexta posição com 44 pessoas mortas por H1N1.

Vírus chegou mais cedo ao Brasil%2C antes do início da vacinação Divulgação

Segundo o Ministério da Saúde, foram notificados 5.214 casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) por influenza A/H1N1 ao longo de 2016. A SRAG é uma complicação da gripe. Em uma semana, foram registrados 633 novos casos de SRAG por H1N1 no país.

Este ano, o vírus chegou antes do previsto e pegou uma população que ainda não tinha tomado vacina. Especialistas discutem várias hipóteses que podem explicar a antecipação da chegada do vírus, que vão desde fatores climáticos até o aumento de viagens internacionais que podem ter trazido o H1N1 que circulava no hemisfério norte. Mas não há uma explicação definitiva para a chegada precoce do vírus. Além das mortes por H1N1, houve 100 mortes por outros tipos de influenza. 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia