Especialistas destacam o papel da nutrição para manter a memória durante a vida

Profissionais apontaram ainda alimentos que ajudam a prevenir doenças como Alzheimer

Por gabriela.mattos

Rio - Esquecer fatos recentes, não lembrar de nomes de pessoas próximas, apresentar mudanças de comportamento. Estes podem ser alguns sinais da Doença de Alzheimer, que leva à perda de memória e graves consequências na terceira idade. Pesquisas apontam que uma alimentação saudável e equilibrada ajuda o bom funcionamento do cérebro e pode prevenir a doença.

“Uma dieta que visa à saúde cerebral incentiva o bom fluxo de sangue para o cérebro, oferece substrato para o bom funcionamento das células cerebrais e é pobre em gordura e colesterol. De quebra, esta também pode reduzir o risco de doença cardíaca e diabetes”, afirma Paulo Bertolucci, doutor em Neurologia pela Unifesp.

Especialistas destacam o papel da nutrição para manter a memória ao longo da vida. E apontam alimentos que ajudam a prevenir doenças como AlzheimerArte O Dia

Ele indica a Dieta do Mediterrâneo, baseada no alto consumo de peixes, frutas, ácidos graxos insaturados e vegetais ricos em antioxidantes, para diminuir o risco do declínio cognitivo leve, que é o Alzheimer em sua fase inicial.

Uma dieta para promover a saúde cerebral deve conter alimentos ricos em algumas substâncias. Como o DHA (ácido docosahexaenóico), encontrado em peixes, especialmente os de água fria, como a sardinha e o salmão, e na gema de ovo. Os ácidos graxos insaturados, presentes no azeite de oliva e no óleo de peixe, também são fundamentais para a memória. Assim como os antioxidantes, que combatem os radicais livres e o envelhecimento celular, e são encontrados em frutas e vegetais, como a laranja e o brócolis, e nas oleaginosas.

Já o micronutriente colina, que melhora as sinapses entre os neurônios e ajuda a reparar as células cerebrais, é encontrado no feijão, nos ovos e na soja. Algumas vitaminas do complexo B facilitam a comunicação entre os neurônios e são encontradas nos ovos, leguminosas e grãos integrais.

Para Caroline Praciano, nutricionista da Sociedade Brasileira de Arte, Cultura e Cidadania (Sobacc), uma alimentação pobre em ômega 3, por exemplo, pode ocasionar a perda da memória. “O ômega 3 é um antioxidante que preserva os neurônios e vasos sanguíneos, além de vitaminas do complexo B que são responsáveis pela comunicação entre os neurônios”. As principais fontes de ômega 3 são peixes como salmão, cavala, atum e sardinha, além de oleaginosas como castanhas, amendoim, nozes e linhaça.

“Esses alimentos são ricos ainda em selênio, assim como o alho, frutos do mar, avelãs e abacate, que potencializam a atividade dos neurotransmissores, como a serotonina, dopamina e acetilcolina”.

Temperos também ajudam a prevenir perda de memória

Pesquisadores cariocas também descobriram recentemente que a apigenina, substância presente na salsa, no tomilho, na camomila e na pimenta malagueta, é capaz de aumentar a formação de neurônios e fortalecer a comunicação entre eles. O trabalho envolveu profissionais do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (Idor) e Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ.

Outra pesquisa publicada no ‘Journal of Ayurveda and Integrative Medicine’ mostrou que as tâmaras — frutos que fornecem muitas fibras e são ricos em polifenóis e antioxidantes naturais — também são eficazes na luta contra a Doença de Alzheimer. A enfermidade acomete aproximadamente entre 50% a 60% da população idosa mundial — cerca de 1,2 milhão de pessoas no país, segundo o IBGE — e é a causa mais comum de perda de memória.

O Dia Mundial da Doença de Alzheimer (DA) é lembrado no próximo dia 21 com uma série de ações este mês para conscientizar sobre a importância da prevenção e diagnóstico precoce. O laboratório farmacêutico Torrent do Brasil e a Associação Brasileira dos Pacientes de Alzheimer (Abraz), por exemplo, lançam uma campanha nas redes sociais que quer atingir 5 milhões de pessoas, incluindo familiares e profissionais da saúde. O ponto alto será um vídeo a ser veiculado no dia 21. No formato “câmera escondida”, a ação busca reações espontâneas das pessoas diante de uma atriz que simula sintomas de Alzheimer em uma rua do movimentado centro comercial de São Paulo.

A ideia da campanha é destacar o os principais sintomas e o perfil dos pacientes, além da importância do tratamento precoce para a melhoria das condições de vida de quem sofre com essa doença. “Alguns sintomas iniciais do Alzheimer podem ser confundidos com atitudes decorrentes do envelhecimento natural”, afirma a neurologista Ana Luisa Rosas, diretora científica da Abraz-SP.

Membro da Academia Brasileira de Neurologia e diretor da Clínica NeuroVida, o neurologista André Lima faz palestra gratuita no dia 21, a partir das 19h, no auditório do Rio Ville Shopping. Vai falar sobre os sintomas, o tratamento e sobre a dificuldade de fazer o diagnóstico do Alzheimer por causa dos sintomas semelhantes com outras doenças.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia