Tiroteio em festival de Las Vegas é o mais sangrento da história dos EUA

Pelo menos 59 pessoas morreram, ultrapassando os 49 mortos do atentado a uma boate gay em Orlando, em 2016. País sofre com histórico de incidentes relacionados à armas de fogo

Por O Dia

Washington - O ataque a tiros em um festival de música country, em Las Vegas, nos EUA, na noite deste domingo, se tornou o tiroteio mais violento da história do país, com pelo menos 59 pessoas mortas e outras 500 feridas. Segundo as autoridades, o autor dos disparos seria um residente local, de 64 anos, que se suicidou após a ação. Nesta segunda, o Estado Islâmico reinvindicou a autoria do ataque. 

Atirador abriu fogo contra multidão que acompanhava festivalAFP

Com um grande histórico de tragédias ligadas à armas de fogo, os EUA enfrentam o episódio mais sangrento de seu país em um momento de instabilidade política do recém-iniciado governo de Donald Trump, 

Confira abaixo os piores tiroteios da história dos EUA:

Aurora: 12 mortos

Em 20 de julho de 2012, um jovem matou 12 pessoas e feriu 70 em um cinema, durante a projeção do filme "Batman: O cavaleiro das trevas ressurge" em Aurora, no Colorado.

Base naval em Washington: 12 mortos

Em 16 de setembro de 2013, um ex-reservista naval de 34 anos matou 12 pessoas em uma base naval americana em Washington antes de ser morto.

Columbine: 13 mortos

Em 20 de abril de 1999, em Littleton (Colorado), dois adolescentes assassinaram a tiros 12 colegas de turma e um professor na escola de Ensino Médio Columbine. Depois, suicidaram-se.

Massacre na Universidade de Columbine é até hoje um dos mais lembrados pelo povo americanoAFP

Centro de imigrantes em Nova York: 13 mortos

Em 3 de abril de 2009, um homem de origem vietnamita matou 13 pessoas antes de tirar a própria vida em um centro para imigrantes de Binghamton, no estado de Nova York.

Fort Hood: 13 mortos

Em novembro de 2009, um psiquiatra militar de origem palestina deixou 13 mortos e 42 feridos na base americana de Fort Hood (Texas). O agressor ficou paralítico, após ser ferido a balas no confronto com a Polícia.

San Bernardino: 14 mortos

Em 2 de dezembro de 2015, um casal de islamitas radicalizados de origem paquistanesa abriu fogo em uma festa de natal de uma empresa em San Bernardino (Califórnia), deixando 14 mortos e 22 feridos. Foram abatidos pela Polícia.

Killeen, Texas: 22 mortos

Em 16 de outubro de 1991, um homem matou 22 pessoas em um restaurante de Killeen (Texas) e feriu pelo menos 20 que estavam no estabelecimento. Matou-se em seguida.

Escola Sandy Hook: 26 mortos

Em 14 de dezembro de 2012, um rapaz de 20 anos assassinou a mãe em casa e, depois, seguiu fortemente armado para a escola Sandy Hook (Connecticut). Lá, abriu fogo e matou 20 crianças e seis adultos.

Virginia Tech: 32 mortos

Em 16 de abril de 2007, um estudante de origem sul-coreana, de 23 anos, matou 32 pessoas no campus de Virginia Tech em Blacksburg (Virgínia), antes de se suicidar.

Boate gay de Orlando: 49 mortos

Em 12 de junho de 2016, o americano de origem afegã Omar Mateen matou 49 pessoas e feriu outras 50 em uma boate gay na cidade de Orlando. O grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou o ato. O agressor teria morrido no confronto com a polícia.

Festival em Las Vegas: 59 mortos

Em 01 de outubro de 2017, o americano Stephen Paddock, de 64 anos, abriu fogo do 32º andar de um hotel contra uma multidão que acompanhava um festival de música country, em las Vegas, Nevada. O agressor se suicidou após o ataque, que deixou pelo menos 59 mortos e 500 feridos. 

Com informações da AFP

Últimas de _legado_Mundo e Ciência