Conselho de Ética quer ouvir doleiro Youssef por videoconferência

Na última reunião do conselho, as testemunhas convidadas pelo relator não compareceram

Por O Dia

Brasília - O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados deve ouvir no dia 1º de julho, o doleiro Alberto Youssef, preso em março na Operação Lava Jato da Polícia Federal. O colegiado analisa o processo de quebra de decoro parlamentar do deputado André Vargas, acusado de envolvimento com o doleiro.

Youssef é a única testemunha que foi solicitada tanto pelo relator do processo no Conselho de Ética, o deputado Júlio Delgado (PSB-MG), quanto pela defesa de André Vargas. O depoimento dele deve ser colhido por meio de videoconferência, já que ele está preso no Paraná.

Doleiro Alberto Youssef, preso em março na Operação Lava Jato da Polícia FederalDivulgação

Na reunião do conselho na última quarta-feira, as testemunhas convidadas pelo relator não compareceram. Como o órgão não tem o poder de convocar, só de convidar, nenhuma das testemunhas é obrigada a ir à Câmara.

Os convites vão ser feitos novamente. “Nós esperamos que eles compareçam no segundo convite para que possam esclarecer todo esse fato e, se não comparecerem, nós vamos dispensar. Esperamos ouvir o doleiro Youssef no dia 1º e começar a ouvir as testemunhas de defesa logo no dia 2”, destaca Júlio Delgado. “Nós temos um prazo apertado, mas queremos cumprir esse cronograma ainda no primeiro semestre”.

O processo de coleta de depoimentos e provas vai até o dia 24 de julho. A partir desta data, o relator tem 10 dias úteis para apresentar o parecer final sobre a cassação do mandato de André Vargas. Depois de ser votado no Conselho de Ética, o parecer segue para votação em plenário, com voto aberto.

André Vargas deixou a vice-presidência da Câmara e chegou a se licenciar quando o processo foi aberto, mas já voltou aos trabalhos no Congresso. Ele está sem partido desde abril, quando pediu a desfiliação do PT.

Últimas de _legado_Brasil