Ministério Público no Rio cria núcleo de combate à corrupção

Objetivo é investigar processos que envolvem crimes como peculato, tráfico de influência, corrupção, violação de sigilo funcional e emprego irregular de verbas públicas

Por leonardo.rocha

Rio - Para unificar a atuação nas esferas cível e criminal, visando o cumprimento da Lei de Improbidade Administrativa, o Ministério Público Federal no Rio de Janeiro (MPF-RJ) criou o Núcleo de Combate à Corrupção. O núcleo conta com dez procuradores para investigar processos que envolvem crimes como peculato, tráfico de influência, corrupção ativa e passiva, violação de sigilo funcional e emprego irregular de verbas públicas.

Antes da medida, cada fato denunciado era investigado por dois procuradores, um na área cível e outro na criminal. De acordo com o procurador da República Sérgio Pinel, o novo núcleo, coordenado por ele, vai fortalecer e otimizar a atuação do órgão no combate à corrupção, uma das prioridades do MPF-RJ.

“Esses fatos têm atribuições cíveis e criminais, pode ter as duas ou pode ter uma ou outra. A grande distinção [diferença] do núcleo para o que era antes é que o procurador, que agora está no núcleo, vai ter atribuição tanto cível quanto criminal. Qual é a atribuição cível: ajuizar eventuais ações de improbidade administrativa; e a criminal: denunciar pelos eventuais crimes cometidos”, explicou.

Apesar de recém-criado (entrou em funcionamento na segunda quinzena de junho), o núcleo já investiga 600 procedimentos cíveis e cerca de 700 processos criminais. “Nós identificamos todos os procedimentos, processos e inquéritos que tenham relação com as áreas de atribuição do núcleo, que envolvam crimes de corrupção, peculato e outros cometidos por servidores públicos; identificamos esses procedimentos [dentro do MPF-RJ] e distribuímos aos integrantes do núcleo”, disse Pinel.

De acordo com ele, o número de processos é grande, mas é menor do que o usual entre os procuradores do órgão. “Essa quantidade menor vai permitir que seja dado tratamento melhor também, apesar de a quantidade ser grande também, porque são muitos casos, muitas notícias de improbidade, crimes cometidos por servidores públicos. Mas, perto do universo de crimes que são cometidos, é um número menor. Então, esse número permite que os colegas com atribuição para atuar no núcleo tenham tratamento bom para as investigações e para o andamento dos processos já existentes", concluiu.

Qualquer pessoa pode fazer uma denúncia ao Núcleo de Combate à Corrupção pelo site http://cidadao.mpf.mp.br, mas a maioria dos fatos são relatados pelos próprios órgãos públicos, por meio de suas corregedorias, ou pelos tribunais de conta.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia