Porto Maravilha ganha sotaque estrangeiro com empresa francesa

Para o prefeito Eduardo Paes, iniciativa privada tem papel fundamental na revitalização

Por O Dia

Rio - O prefeito Eduardo Paes disse nesta quarta-feira que beleza é fundamental nas obras do Porto Maravilha. A declaração foi feita na tarde desta quarta, ao anunciar a construção da nova sede de uma empresa francesa de cosméticos, na região. Serão mais de 20 mil metros quadrados de área edificada em 22 andares, construídos em frente aos armazéns do porto.

Paes, que aparentava bom humor, brincou com o sotaque francês durante seu rápido discurso e aproveitou para exaltar a importância da parceira público-privada para a revitalização da Zona Portuária. “Esse projeto do Porto Maravilha não se sustenta sem a parceria público-privada. Seria impossível para a prefeitura aportar o volume de recursos necessários para fazer todas essas obras que estamos fazendo aqui” destacou o prefeito.

A L’Oreal não é a primeira empresa estrangeira a se instalar na região. Já estão por lá a Nissan, empresa japonesa fabricante de automóveis, e a inglesa Subsea 7, fornecedora do setor de petróleo. Além dessas, temos as nacionais SuperUber, Lojas Americanas e o núcleo de ensino a distância da Universidade Estácio de Sá.

A região também conta com 51 projetos licenciados para moradia, sendo 49 de habitação social e um de reforma. Existe ainda o projeto Porto Vida, um conjunto de edifícios com 1.333 unidades em uma área de 19 mil metros quadrados no bairro do Santo Cristo. O total de habitações licenciadas para construção na região da zona portuária é de 2.009 unidades.

De acordo com o prefeito, a revitalização da Zona Portuária é o movimento urbano mais importante da história da cidade do Rio de Janeiro desde a sua fundação, há quase 450 anos. “O Rio de Janeiro sempre fugiu dos seus problemas. À medida em que a cidade crescia, se degradava, abriam-se novas fronteiras. O Rio hoje aponta para um novo vetor de crescimento, pois abre-se aqui uma nova fronteira para as pessoas morarem”, comentou Paes.

Últimas de Rio De Janeiro