Menina de cinco anos é baleada em confronto entre PMs e bandidos em Belford Roxo

Em protesto, grupo incendiou ônibus da Viação Flores da rua do 39º BPM

Por O Dia

Menina baleada em Belford Roxo Osvaldo Praddo / Agência O Dia

Rio - Uma menina de 5 anos foi baleada enquanto andava de bicicleta, no Bairro Santa Amélia, em Belford Roxo. Segundo a Polícia Militar, os agentes foram recebidos a tiros quando foram checar uma denúncia de tráfico de entorpecentes no local, próximo ao Morro Rola Bosta. Em retaliação, bandidos atearam fogo a um ônibus da linha 445 (Xerém x Nova Iguaçu), da Viação Flores, de acordo com a PM.

O avô da menina, que pediu para não ser identificado, disse que a neta brincava quando foram ouvidos pelo menos três disparos, por volta das 21h de sexta-feira. A bala atravessou o abdômen. A menina foi socorrida e levada no carro da família para o Hospital da Posse, no município vizinho de Nova Iguaçu.

“Mesmo depois de ela ter sido baleada, o tiroteio continuou. Uma vizinha foi ferida de raspão na perna e eu, por pouco, não fui”, desabafou o avô. Segundo uma tia que pediu para não ser identificada, a menina passou por cirurgia e seu estado de saúde é grave.

Após o incidente, bandidos atearam fogo no ônibus. Os passageiros que estavam no coletivo ficaram assustados, pois o veículo teria sido apedrejado com eles ainda dentro. A Polícia Civil está investigando de onde partiram os disparos, e aguarda os depoimentos dos parentes da menina.

Uma cápsula de fuzil, que teria sido usado durante o tiroteio, foi entregue na 54ª DP (Belford Roxo), que investiga o caso. Os PMs que participaram do confronto foram ouvidos e os sete fuzis que portavam, apreendidos.

De acordo com a PM, foram apreendidos 145 sacolés de maconha, 12 frascos de loló, três sacolés de skank, 45 pedras de crack, 75 pinos de cocaína, um radio transmissor e R$ 50 reais em espécie. A ocorrência foi encaminhada para a 54ª DP. O 39º BPM também abriu um inquérito.

Segundo o avô, que se aposentou recentemente, seu objetivo era sair do Rio de Janeiro ainda este ano, por causa da violência. Ele garantiu que vai esperar a neta se recuperar e recomeçar uma vida em outro lugar com a família. “No Rio não dá mais. Moro há mais de 30 anos aqui em Belford Roxo. De cinco anos para cá, a coisa piorou muito aqui. Antes eu dormia de janela aberta. Meu muro agora é alto”, disse. 

Casos que se repetem

Apenas no mês de janeiro foram registrados 24 casos de balas perdidas, na Região Metropolitana. Entre as vítimas, há crianças que não resistiram aos ferimentos e morreram. Um dos casos foi o de Larissa Carvalho, de apenas 4 anos, que morreu depois de ser atingida na cabeça, no dia 16 de janeiro, ao sair de um restaurante em Bangu com a família.

Já Asafe Ibrahim, de 9, foi baleado no olho, dentro do Sesi de Honório Gurgel, na Zona Norte. A criança chegou a ficar internada, mas não resistiu e também morreu dias depois. Lavínia Cordeiro Crissiullo estava brincando no colo de uma vizinha quando foi atingida na perna. Ela sobreviveu.

Últimas de Rio De Janeiro