Prefeito de Itaguaí é afastado pela Justiça

Luciano Mota, dois secretários e dois PMs estão fora dos cargos para que denúncias de irregularidades em licitações e desvios de verbas públicas sejam apuradas

Por O Dia

Rio - O prefeito de Itaguaí, Luciano Carvalho Mota (PSDB), foi afastado pela Justiça para que sejam apuraradas irregularidades em licitações e desvios de verbas públicas, além dos crimes de responsabilidade, fraude à licitação, associação criminosa, lavagem de dinheiro e crime ambiental, entre outros delitos. A determinação é do desembargador federal Paulo César Morais Espírito Santo, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF).

Foram afastados também os secretários de Assuntos Extraordinários do prefeito, Amaro Ferreira Gagliardi, de Turismo, Ricardo Luis Rosa Soares, de Transportes, Alex de Lucena Barboza, e os policiais militares Márcio Soares de Oliveira e Silvio Siqueira Silva, que trabalhavam fazendo a segurança de Luciano. No lugar dele, deve assumir o vice, Weslei Pereira.

Luciano Mota (PSDB) foi afastado após sucessivas denúnciasDaniel Castelo Branco / Arquivo Agência O Dia

Na mesma medida, o magistrado ordenou também que fossem apreendidos um helicóptero e três carros que pertenceriam ao prefeito, supostamente adquiridos com dinheiro desviado dos cofres públicos: um Porsche Panamera modelo 2012, um Mercedes Benz AMG, modelo 2011, e um BMW X-6, modelo 2014.

Os acusados, segundo informa a medida cautelar, são investigados por esquema de fraudes em concorrências para a contratação de prestadores de serviços. Inclui ainda na acusação o pagamento de R$ 400 mil em propina, que garantiria a contratação de empresa escolhida pela quadrilha. 

Ainda no texto da decisão, o esquema comandado por Luciano poderia signigicar uma fraude que envolveria a prestação de serviços de coleta seletiva de lixo hospitalar, e a varrição de vias e logradouros públicos, gerando despesa mensal de R$ 2,4 milhões para os cofres de Itaguaí.

Servidores festejam saída do prefeito

Segundo a vice-presidente do Sindicato de Médicos do Rio de Janeiro (Sindmed Rio), Sara Padron, que estava em Itaguaí na queda do prefeito, na tarde desta terça-feira, a saída de Luciano é "uma vitória da democracia". Há muito tempo, segundo ela, o escândalo na cidade era anunciado. Entre as denúncias, verbas desviadas do Sistema Único de Saúde (SUS) e servidores municipais em greve por atraso de salários, por exemplo, comentou a representante do Sindmed. 

Servidores festejam saída de Luciano Mota e fazem vigília para que novo prefeito cumpra promessas e retroceda em determinaçõesFoto de leitor

Já a diretora do SindsPrev Cristiane Gerardo, disse esperar que "a lei e a ordem voltem a Itaguaí". De acordo com ela, os manifestantes, que chegaram a ocupar a sede da Secretaria de Saúde nesta manhã e, no início da noite, se concentravam em frente à prefeitura, comemorando a decisão da Justiça, vão manter "vigília" com o intuito de que o novo prefeito cumpra promessas. Entre elas, o pagamento de planos de encargos dos servidores, reversão de todas as demissões, remoções e transferências, todas realizadas por Luciano Mota. 

PF apreende passaportes e carros de luxo do prefeito

A Polícia Federal cumpriu, também nesta terça-feira, mandados judiciais do TRF determinando que Luciano Mota entregue passaportes. Ele, secretários e empresários do município também estão proibidos de sair do estado sem autorização e veículos de luxo do prefeito também foram apreendidos. Trata-se da terceira fase da Operação Gafanhotos.

A Justiça também determinou a suspensão da função pública e da atividade econômica dos investigados, inclusive com o afastamento do prefeito de Itaguaí. Dois PMs que realizavam a segurança pessoal do mandatário também foram afastados das funções públicas.

Relembre o caso:

Polícia Federal realiza operação na sede da Prefeitura de Itaguaí

Últimas de Rio De Janeiro