Manifestantes fazem protesto após morte de jovem espancado em baile

Yuri Matheus Amaral foi agredido com socos e chutes na cabeça. Esta quinta-feira foi marcada por mortes no Rio

Por O Dia

Rio - Mais de 100 pessoas fizeram um protesto nesta quinta-feira, em frente à 58ª DP (Posse), pela morte do estudante Yuri Matheus Amaral, de 17 anos, espancado durante um baile no bairro da Posse, em Nova Iguaçu, no último sábado. Ele morreu na quarta-feira e foi enterrado esta quinta-feira.

O rapaz foi agredido com socos e chutes na cabeça por pelo menos sete pessoas, no bairro Cerâmica. Uma rixa entre jovens de bairros vizinhos teria sido um dos motivos das agressões.

Jovem morre após ser espancado por sete pessoas no último sábado em um baile funkReprodução

Um dos autores do crime teria tentado tirar o boné de Yuri. “Ele não quis entregar o boné, e como há uma rixa entre os bairros, começou a confusão”, lamentou a irmã do adolescente, Amanda Rafaela Alves de Amaral, 22 anos.

Além de Yuri, um outro rapaz foi agredido. J, de 15 anos, está com hematomas no rosto e num dos braços após ser espancado no baile, que ocorria dentro de um sítio. O jovem só escapou da morte porque correu dos agressores. “Seria mais um jovem morto. Poderia estar enterrando meu filho junto do Yuri. Há esta rivalidade entre os jovens”, contou a mãe do rapaz, Ana Dutra.

Quinta-feira violenta no Rio

Arthur morreu vítima de um tiro em Anchieta%2C na Zona NorteReprodução Facebook

Foram 24 horas de muita violência e dor no Rio. Pelo menos quatro mães choraram a morte brutal de seus filhos. Os casos mais recentes ocorreram nesta quinta-feira, em Manguinhos e Anchieta, ambos na Zona Norte, quando dois jovens foram vítimas de bala perdida. Ana Beatriz Duarte, 5 anos, vítima de bala perdida no domingo em São Gonçalo, morreu nesta quinta-feira. Em Nova Iguaçu, um adolescente de 17 anos foi sepultado, após ser espancado num baile, na Posse, na Baixada.

“Meu coração está dilacerado, mas minha alma confortada no Senhor”. Jorailza Barros postou este desabafo em rede social, ainda na madrugada de ontem. Ela perdeu o filho, Arthur Joseph de Barros Marques, de 19 anos, baleado com um tiro na Estrada Marechal Alencastro, em Anchieta, na noite de quarta-feira. O jovem foi vítima de bala perdida, mas a polícia ainda não deu detalhes do caso.

Arthur voltava de moto do Instituto Federal do Rio de Janeiro quando foi atingido. Ele chegou a ser levado para a UPA de Ricardo de Albuquerque, mas não resistiu. Há relatos de que houve uma perseguição entre policiais militares e bandidos que faziam um arrastão em Nilópolis e, em Anchieta. Arthur passava na rua durante o tiroteio. A corporação não confirmou a perseguição.

Ana Beatriz foi ferida quando estava numa festa infantil, no bairro Jardim Catarina. À polícia, parentes da garota informaram que não ouviram barulho de tiros e que não havia operação policial na área. Ainda não há informações sobre data do enterro.

Manguinhos: um morto e três feridos

?A cinco dias de completar 15 anos, Caio Daniel Faria teve a vida interrompida por balas perdidas. O adolescente foi alvejado no abdômen e na perna durante um confronto entre homens da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) de Manguinhos e criminosos, na noite desta quinta-feira. Outros três rapazes, acusados pela polícia de participar do tráfico, foram baleados no enfrentamento.

Caio Daniel estava brincando no Campo da Esperança quando foi atingido. O menor foi socorrido pela própria mãe que, com ajuda do vizinho colocou o filho no carro e seguiu para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Manguinhos.Ele não resistiu aos ferimentos e morreu.

Um dos suspeitos baleados sofreu uma fratura na mão e está sob custódia no Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier. A Secretaria de Saúde informou que o estado clínico dele é estável.

Últimas de Rio De Janeiro