Beltrame diz que vai investigar ação de PMs que faziam custódia de traficante

Na madrugada deste domingo, homens armados invadiram o Hospital Souza Aguiar para resgatar Fat Family

Por O Dia

Beltrame diz que vai investigar ação de policiais que faziam custódia do traficante Fat Family, no Hospital Souza AguiarDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

Rio - Durante uma coletiva de imprensa, nesta segunda-feira, o secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, afirmou que a ação dos PMs que faziam a custódia do traficante Nicolas Labre Pereira de Jesus, o Fat Family, será investigada.

Na madrugada deste domingo, entre 10 e 15 homens armados invadiram o Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro, para resgatar o suspeito. Na ocasião, um homem morreu e outros dois ficaram feridos. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, o enfermeiro Júlio César dos Santos Basílio, uma das vítimas, passou por uma cirurgia e o estado de saúde é estável.

Beltrame disse ainda que vai pedir a transferência de 11 traficantes para um presídio de segurança máxima. Entre eles, Leonardo Carlos da Silva, conhecido como Léo da Kelson, que atua no Kelson's; Davi da Conceição Carvalho, o Davi do Final Feliz, que é do Complexo do Chapadão; Marcelo da Silva Guilherme, o "Marcelinho dos prazeres", do Morro dos Prazeres e Escondidinho; Wilson Ferreira Cardozo, o "Bacalhau", do Morro da Providência; Paulo César Souza dos Santos, o "Paulinho Muleta", do Fallet Fogueteiro; Edson Ferreira Firmino de Jesus, o "Zaca", do Morro dos Prazeres e Escondidinho; e Aleksandro Rocha da Silva, o "Sam da Caicó", do Morro da Cocanha.  

Além disso, estão entre eles Marcelo Fonseca de Souza, o "Marcelo Xará"; Isaias da Costa Rodrigues, o "Isaias do Borel"; Sandro Batista Rodrigues, o "Naíba"; e Márcio Gomes de Medeiros Roque, o "Marcinho do Turano". 

Segundo o secretário, todos seriam da facção que Fat Family. Além disso, ele sugeriu que fosse criado um "hospital de campanha", ao lado do Souza Aguiar, reservado apenas aos pacientes sob custódia, para que os médicos e os outros pacientes da unidade.

Perícia recolhe 38 cápsulas no hospital

A perícia de local recolheu 38 cápsulas de diferentes calibres no Hospital Souza Aguiar, após o tiroteio na madrugada de domingo. Os calibres recolhidos foram 15 de fuzil 762, 18 de pistola ponto 40 e 5 de pistola 9 mm. Todos os disparos ocorreram no pátio da unidade, quando os criminosos estavam saindo da unidade após libertarem o preso.

Bandidos invadem Souza Aguiar para resgatar presoDivulgação

No interior do hospital não houve disparos de tiros. Segundo o delegado Fabio Cardoso, titular da Divisão de Homicídios, a troca de tiros ocorreu entre os criminosos e um policial militar que chegava na unidade para socorrer um amigo ferido em uma boate.

LEIA MAIS

Quase 40 tiros foram disparados no resgate de traficante em hospital

Áudio: Traficantes comemoram resgate de preso do Hospital Souza Aguiar

PM faz pente-fino para achar bandidos em favelas da Região Metropolitana

?Justiça determina que tio de Fat Family seja transferido para Bangu I

'Bonde' armado com fuzis e granadas invade Souza Aguiar e resgata traficante

"Entre 10 e 15 criminosos chegaram ao hospital. Seis deles renderam uma recepcionista e foram até o sexto andar. Ao chegarem no quarto tiraram as algemas com um alicate. No pátio externo, na saída, é que ocorreu o tiroteio", afirmou.

A polícia analisa imagens de câmeras e ouve testemunhas. Até o momento, 12 pessoas foram ouvidas, entre enfermeiros e policias que realizavam a custódia.

Últimas de Rio De Janeiro