Polícia prende mais um suspeito de matar sobrinha de traficante na Z. Oeste

Corpo de Priscila Gonçalves Leite foi encontrado perto de uma fábrica na Taquara, no dia 2 de junho

Por O Dia

Rio - Os policiais da Delegacia de Homicídios da Capital (DH) prenderam, na tarde desta quarta-feira, o quinto e último suspeito de matar a sobrinha do traficante Éderson José Gonçalves Leite, o Sam. O corpo de Priscila Gonçalves Leite, de 34 anos, foi encontrado no dia 2 de junho perto de uma fábrica na Taquara, Zona Oeste, com marcas de tiros.

LEIA MAIS

Filha do traficante Sam é presa por matar a prima na Cidade de Deus

?Filha de traficante matou prima por atrapalhar relacionamento com pai

De acordo com a polícia, Leandro dos Santos Matos, de 31 anos, teria ido buscar a mulher no Aeroporto Internacional Tom Jobim, o Galeão, no dia do crime e a levado para a Cidade de Deus. Depois, o motoboy Max Jones a seguiu até o local da execução. Ele foi encontrado pelos agentes na Rua Guaiba, em Brás de Pina, após uma informações do Disque-Denúncia.

A polícia já prendeu Ricardo Soares das Neves, conhecido como "Ricardinho", de 32 anos; Aleksandro Farias de Oliveira, 32 anos; Amanda Alves Santiago Gonçalves, 29 anos; e Max Jones, conhecido como "Gugu", de 35 anos. Com base nas provas reunidas, o delegado responsável pelo caso representou pela decretação das prisões temporárias dos cinco autores que foram deferidas pela Justiça.

?Filha de traficante matou prima por atrapalhar relacionamento com pai

Filha do traficante Sam%2C Amanda%2C e o companheiro%2C AleksandroWhatsApp O DIA

Priscila Gonçalves Leite foi assassinada por estar "atrapalhando" o relacionamento de Amanda Alves Santiago Gonçalves, de 29 anos, com o pai, o traficante Éderson José Gonçalves Leite, o Sam. "Só pode ser ciúme. O Sam tratava a Priscila como uma filha, gostava muito dela", afirmou a avó Denair Martins Gonçalves, de 75 anos. Familiares e amigos se reuniram nesta segunda-feira para protestar contra a morte da mulher nesta segunda-feira, em frente à Divisão de Homicídios (DH), na Barra da Tijuca. Indignado, um grupo de cerca de 20 pessoas perguntou se não poderia ao menos "cuspir" em Amanda.

A avó de Amanda e Priscila estava no local, muito fragilizada. Ela contou que a neta assassinada deixa três filhos, de 16, 12 e 6 anos e a presa têm três também e que ficou sabendo que Amanda está grávida. "Era uma das minhas netas mais bonitas, uma empresária e muito reservada. Fiquei muito surpresa. Acho que a Amanda matou a Priscila por inveja, foi por ciúme, é uma coisa diabólica. Para mim é a maior dor ter uma neta assassinada. Como vão ficar essas seis crianças?", afirmou ela.

Últimas de Rio De Janeiro