'Não levaram nada, só a vida de um garoto', diz sogro de jovem morto em assalto

''E agora, como vou criar meu filho, pai? Minha filha repete isso a todo momento', diz Antonio Carlos. Pais da vítima estão a base de remédios

Por O Dia

Rio - Após a trágica perda de um jovem de 24 anos, apenas a dor. Os pais de Augusto Alves, de 24 anos, morto em uma tentativa de assalto em Vicente de Carvalho, na Zona Norte, estão a base de remédios. No Instituto Médico Legal (IML), a mulher da vítima, Karina Carneiro, e o sogro resolvem questões burocráticas para liberar o corpo. Ainda tentando entender o porquê do jovem ter perdido a vida e procurando saídas para seguir em frente. 

Augusto Alves foi morto a tiros em tentativa de assalto na frente da mulher e da filha de apenas nove meses%2C em Vicente de Carvalho Reprodução Facebook

"'E agora, como vou criar o meu filho, pai?' A minha filha repete isso a todo momento. Ela contou que ele ainda pediu para deixarem eles saírem do carro e tirar a criança, que ele já estava com mãos para o alto e saindo, mas para o azar dele o carro estava engrenado e deu um arranco. Eles atiraram e foram embora, nem deram chance. Foi brutal o que eles fizeram. Não levaram nada, só levaram a vida de um garoto de 24 anos. Tiraram a vida de um pai de família", desabafou o sogro Antonio Carlos de Carvalho Carneiro, 47 anos.

Segundo o assistente financeiro, a vida de Augusto era a filho dele, de apenas nove meses. "Ele era trabalhador, estudioso e o sonho dele era dar o melhor para o filho, criá-lo da melhor maneira possível. Ele foi criado ali e era o filho mais velho, tinha uma irmã. Não tenho palavras para descrever o que minha filha está passando. Ela perdeu o amor da vida dela", disse.

Eles tentam a liberação do corpo de Augusto para realizar o enterro ainda hoje, no Cemitério de Irajá, na Zona Norte, no final da tarde. A vítima faria 25 anos no próximo dia 19. "Ele estava muito feliz pelo nascimento do filho, que era muito esperado. Eles estavam juntos há dez anos", contou Antonio Carlos.

Em seu perfil no Facebook, Augusto postou uma foto do filho, ainda com seis meses de vida, e declarou. "Você é minha vida. Meu coração fora do corpo", escreveu.

Sogro de Augusto Alves consola a filha. "'E agora%2C como vou criar o meu filho%2C pai%3F' A minha filha repete isso a todo momento"%2C disse Antonio Carlos de Carvalho CarneiroSeverino Silva / Agência O Dia

Augusto Alves morreu numa tentativa de assalto na Rua César Múzio, esquina com a Avenida Pastor Martin Luther King Júnior, em Vicente de Carvalho, Zona Norte do Rio. Ele estava acompanhado da esposa e do filho de apenas nove meses quando foi abordado por dois homens que tentaram levar o seu carro, um JAC J3 Turin.

Segundo testemunhas, ele retirava o cinto e, ao tirar o pé da embreagem, o carro arrancou e os bandidos deram três tiros. Um deles atingiu o seu pescoço. Augusto tinha deixado a casa do pai na rua e seguia para sua residência com a família, em Vista Alegre, por volta das 20h40. O Rua César Múzio é uma das vias de acesso ao Morro do Juramento.

O corpo de Augusto Alves será enterrado, na tarde desta quinta-feira, às 16h, no Cemitério de Irajá, na Zona Norte do Rio.

Moradores dizem que bombeiros demoraram a chegar

Moradores da região relataram que assim que Augusto foi baleado acionaram o Corpo de Bombeiros, mas os militares chegaram somente quando a perícia já está estava sendo concluída. A PM chegou rapidamente ao local e também acionou os bombeiros pedindo prioridade, segundo testemunhas. 

"Desci para ver se a mulher e a criança estavam machucados e todos nós começamos a ligar para o Corpo de Bombeiros. A polícia foi a primeira a chegar, muito rápida, assim que viram que o jovem tinha chances de sobreviver, ligaram para os bombeiros pedindo prioridade. No entanto, uma ambulância só chegou depois que a perícia da Civil já estava quase terminando", disse a aposentada Maria José Faria de Oliveira, de 62 anos, 30 deles morando na região que tem sofrido com a crescente violência e os roubos.

"Acredito que ele não reagiu porque não teve tempo. Me revolta muito ver que dentro do carro havia uma criança de nove meses. Ela nem teve o direito de crescer ao lado do pai. Passamos por isso todos os dias. O que as autoridades estão fazendo para mudar? Semana passada estava na porta da minha vizinha de 78 anos, 10h30 da manhã, quando veio um cara de moto e gritou. 'Passa tudo que tem'. O portão da minha vizinha estava aberto e a minha reação foi jogá-la dentro da casa e depois me jogar", narrou a juíza de paz Marise Costa, de 54 anos.

Segundo Marise, a mulher de Augusto gritava por socorro e o pai chegou instantes depois do crime. "O pai chegou e disse. 'Eu acabei de abraçar e beijar meu filho. Agora ele está morto'", contou.

"Eu estava deitado e logo depois eu escutei uma mulher gritando por socorro, gritando "mataram meu marido". Saí para ver o que aconteceu e vi o cara morto. Não tem jeito, isso aqui está um horror. Sempre tem assalto aqui e as autoridades não fazem nada. Tive que tomar rivotril para dormir, pois foi angustiante ver um jovem dessa idade morrer", disse o representante comercial Orlando Barbosa, 66 anos.

Em nota, o Corpo de Bombeiros informou que foi acionado às 21h13 e que homens do quartel de Irajá chegaram ao local às 21h32. O corpo foi recolhido às 23h35, após a perícia da Polícia Civil.

Dados apontam crescente no roubo de veículos

Números do Instituto de Segurança Pública (ISP) apontam uma enorme crescente no roubo de veículos no Rio. Somente em agosto o aumento foi de 51,7%, comparado ao mesmo mês no ano passado.

Entre janeiro a agosto deste ano, comparado ao mesmo período do ano passado, o número também surpreende: aumento de 43,9%, subindo de 25.779 para 37.100 casos. 

Na região da 27ª DP, que atende aos bairros de Irajá, Vicente de Carvalho, Vila Kosmos, Vila da Penha, Vista Alegre e parte de Colégio, foram 1.045 roubos de veículos entre janeiro e agosto deste ano. Somente em agosto foram 129 casos. O ISP ainda não divulgou dados de setembro e do mês corrente.

Amigos e familiares lamentam perda

Em seu perfil no Facebook, amigos e familiares parecem não acreditar na perda do jovem. Muitos deles usaram a rede social para lamentar a morte de Augusto. 

"Deus eu não tô conseguindo acreditar nisso!!! Uma tristeza enorme invade meu coração...Que o Senhor conforte, amenize e dê sabedoria a família para suportar e superar essa perda. PAI recebe ele aí com muita festa porque ele merece!!!!!", escreveu uma amiga.

"Que Deus conforte a sua familia, sei que foi direto para o céu. É triste pra quem fica perder uma pessoa maravilhosa como você, ainda mais por conta dessa violência que anda nos rodeando nosso dia-a-dia. Augusto Alves descanse em paz (sic)", postou outra.


Últimas de Rio De Janeiro