Menino Bernardo pode ter sido enterrado vivo por madrasta

Em depoimento, Edelvânia disse que madrasta planejava há muito tempo a morte do enteado

Por O Dia

Rio Grande do Sul - Em depoimento à Polícia Civil, a assistente social Edelvânia Wirganovicz disse que ela e Graciele Ugolini, madrasta do menino Bernardo Uglione Boldrini, de 11 anos, enterraram o garoto sem conferir a pulsação, o que não descarta a hipótese de Bernardo ter sido enterrado vivo.

Menino pode ter sido enterrado vivo pela madrastaReprodução


A assistente social resolveu participar do crime em função do dinheiro envolvido e o plano era abrir um buraco e pôr o menino dentro, sem violência. Pelo relato de Edelvânia, Graciele planejava há muito tempo a morte do enteado. A polícia suspeita que o médico Leandro Boldrini, pai de Bernardo, tenha ajudado a encobrir o crime depois de saber o que tinha acontecido.

Entenda o caso

Bernardo, de 11 anos, desapareceu no dia 4 de abril, em Três Passos (RS), após dizer ao pai que passaria o fim de semana na casa de um amigo. O corpo do garoto foi encontrado no dia 14 de abril, em Frederico Westphalen (RS), dentro de um saco plástico e enterrado às margens do Rio Mico.

Segundo a Polícia Civil, o menino foi dopado antes de possivelmente ser morto com uma injeção letal. Principais suspeitos, o pai, a madrasta e a assistente social foram presos no último dia 14.

Últimas de _legado_Brasil