Diretor de Finanças da Petrobras está entre os que renunciaram, diz fonte

Devem permanecer os diretores de Governança, Risco e Conformidade e do setor Corporativo e de Serviços

Por O Dia

Rio - Os diretores da Petrobras Almir Barbassa (Finanças), José Carlos Cosenza (Abastecimento), José Miranda Formigli (Exploração e Produção), José Alcides Santoro (Gás e Energia) e José Antônio Figueiredo (Engenharia, Tecnologia e Materiais) apresentaram renúncia de seus cargos, disse nesta quarta-feira uma fonte com conhecimento do assunto à Reuters.

Além da presidente Maria das Graças Foster, cinco diretores apresentaram renúncia em meio a um escândalo de corrupção envolvendo a companhia. No entanto, em comunicado, a empresa não divulgou os cargos dos que apresentaram renúncia.

Devem permanecer nos cargos os diretores de Governança, Risco e Conformidade, João Elek Junior, e Corporativo e de Serviços, José Eduardo Dutra, segundo a fonte.

"A Petrobras informa que seu Conselho de Administração se reunirá na próxima sexta-feira, dia 06.02.2015, para eleger nova Diretoria face à renúncia da presidente e de cinco diretores", informou a estatal em comunicado. Procurada, a estatal não comentou imediatamente quem seriam os diretores que ficariam ou deixariam seus postos.

Segundo a fonte, João Elek foi nomeado recentemente para o cargo de Governança, recém-criado e considerado chave para a empresa no momento de crise atual, em meio às investigações da Operação Lava Jato, e não sairá. "Ele chegou agora e não pode ser responsabilizado por nada", afirmou a fonte, que pediu anonimato.

O outro remanescente, José Eduardo Dutra, encontra-se de férias, disse a fonte. Dutra, a propósito, já foi presidente da Petrobras e do PT, além de ter sido um dos três coordenadores da campanha de Dilma na eleição de 2010. "Tem presença política importante... tudo indica que esse (Dutra) vai ficar, até pela força que tem", declarou a fonte.

Oposição pede nova CPI da Petrobras

Deputados de oposição protocolaram pedido para criação de uma nova CPI para investigar irregularidades na Petrobras, e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse na noite de terça-feira que vai instalar a Comissão Parlamentar de Inquérito.

“Vou cumprir o regimento. As cinco primeiras CPIs serão instaladas. Não há o que fazer, e isto é regimental”, afirmou Cunha, segundo a Agência Câmara Notícias, após o pedido apresentado pela oposição.

De acordo com o deputado Bruno Araújo (PSDB-PE), o pedido protocolado pela oposição foi o terceiro apresentado na nova legislatura, que começou no último domingo.

A CPI vai dar prosseguimento aos trabalhos da CPI mista da Petrobras encerrada em 2014, que apurou diversas irregularidades na estatal.

*Com informações da Reuters

Últimas de _legado_Brasil